,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Polícia Civil apreende 74 quilos de maconha
  • Artistas homenageiam Gilberto Gil em seu aniversário de 75 anos
  • Savegnago inaugura supermercado em julho

Governo do Estado agora quer municipalizar administração do Horto Florestal deTupi
Sabrina Franzol
17/02/2017 10h16
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

O Estado quer municipalizar a administração do Horto Florestal de Tupi. A pretensão de passar a gestão do local para a prefeitura foi anunciada quinta-feira (16) pelo secretário estadual do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante visita ao horto. Ele disse que a decisão pode tornar a administração “mais produtiva”.

Em janeiro, o governo paulista publicou chamamento público visando concessão ou venda das áreas do horto. Desde então, parte da comunidade piracicabana e da região tem se mobilizado contra a medida. No começo deste mês, a Associação dos Moradores de Tupi organizou caminhada para protestar contra a comercialização da área. Na semana passada, o Gaema (Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente) instaurou inquérito civil para apurar a legalidade da possível venda da área.

Conforme Salles, a visita serviu para verificar as condições do horto, a infraestrutura geral e para o turismo e também para saber qual caminho seguir quanto à venda. “Estamos aqui a trabalho. A ideia, se possível, é de municipalizar a administração do horto. Acredito ser mais produtivo para área e para a população um gerenciamento local”, disse o secretário, acrescentando que, primeiro, é importante saber como aumentar os investimentos e os tipos de serviços oferecidos pelo parque. “Vamos fazer um levantamento da madeira que pode ser explorada com o intuito de reverter renda para o local.”

17-002-005.jpg

Horto Florestal de Tupi foi posto à venda pelo Estado em janeiro junto com outras 33 áreas (Foto: Claudinho Coradini/JP)

O prefeito de Piracicaba, Barjas Negri (PSDB), afirmou que a visita do secretário Salles ao horto teve caráter exploratório, para tentar uma parceria do Estado com a municipalidade e com a sociedade civil, no sentido de manter o horto. “Para isso é preciso fazer investimentos, acionar o setor privado para exploração do local para o lazer e o ecoturismo, principalmente. Vamos, por meio da Secretaria de Defesa do Meio Ambiente e do Instituto Florestal, montar uma equipe para que o horto continue sob a responsabilidade do setor público e à disposição da população de Piracicaba e da região”, disse o chefe do executivo.

Salles chegou a Piracicaba por volta das 11h15 e conheceu as áreas de uso público do horto, como o Núcleo de Educação Ambiental, onde são realizadas atividades em parceria com a escola do distrito de Tupi, a área do lago Marcelo e talhões de pinus que existem no território. Além de Barjas, acompanharam Salles no passeio ao horto o secretário municipal de Defesa do Meio Ambiente, Rogério Vidal, o deputado estadual, Roberto Morais, o pesquisador do IF (Instituto Florestal), Luís Alberto Bucci, e funcionários do local.

Localizado à margem da Rodovia Luiz de Queiroz, km 149, no distrito de Tupi, o Horto de Tupi, com nome oficial Estação Experimental de Tupi, foi criada em 1949. Pertencente ao Instituto Florestal, órgão vinculado à SMA (Secretaria de Meio Ambiente), tem área de 198 hectares, com vegetação de Mata Atlântica. Ele foi colocado à venda em um lote com outras 33 áreas de florestas e estações experimentais de produção de madeira.

Com a negociação das unidades, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) visa angariar recursos para enfrentar a crise financeira e fazer caixa para o orçamento do Estado. No mês passado, o secretário estadual do Meio Ambiente, por meio da assessoria de comunicação, justificou a pretensão de venda do Horto de Tupi e das outras 33 áreas afirmando que as propriedades dão prejuízo aos cofres do Estado.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar