,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Inadimplência do consumidor cresce 5,8%
  • Roubos e furtos caem no primeiro semestre do ano
  • Umidade do ar cai e deixa cidade em estado de atenção

Sindicato anuncia greve dos professores a partir do dia 28
Walter Duarte
19/03/2017 12h37
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Untitled-6.jpg

Maria Izabel Noronha afirmou que a categoria cobra a reposição de perdas salariais. (Foto: M. Germano/JP)

Os professores da rede estadual de ensino de São Paulo entram em greve a partir do dia 28. A paralisação foi aprovada em assembleia realizada na última quarta-feira (15), na capital, que, segundo a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), contou com a participação de 50 mil profissionais.

Em um evento realizado ontem na sede regional do sindicato em Piracicaba, a presidente da entidade, Maria Izabel Azevedo Noronha, afirmou que a categoria cobra a reposição de perdas salariais.

“Vamos completar três anos sem reajuste salarial. São 22% de perdas se contarmos de junho de 2014 até agora. O governador respondeu novamente com a política de bônus. E é um bônus menor do que o do ano passado. Isso deixou a categoria ainda mais descontente”, disse.

A presidente da Apeoesp cita ainda a proposta de reforma da previdência e a reforma do ensino médio — aprovada recentemente — como pautas do movimento.

“Do jeito que o governo enviou para o Congresso não é uma reforma, mas sim um desmantelamento da previdência. E a reforma do ensino médio, com a falta de professores que São Paulo tem, é um engodo”, afirmou.

A sindicalista cita a idade mínima para aposentadoria proposta pelo presidente Michel Temer (PMDB), que é de 65 anos, e o tempo de contribuição exigido — de 49 — como medidas injustas para os professores.

“Você não terá um professor se aposentando aos 65 anos, porque não existe professor formado aos 16. Para alguém que começou a carreira aos 30, só vai se aposentar ao 79. Isso tudo vai criando um ambiente de desestímulo à formação de novos professores”, completou.

De acordo com o sindicato, o movimento começa no dia 28 e se estenderá pelo menos até o dia 31, quando uma nova assembleia será realizada para avaliar a adesão e os resultados. Na área da Diretoria Regional de Ensino de Piracicaba funcionam hoje 68 escolas, que atendem 38 mil alunos.

Em nota à imprensa divulgada no dia da aprovação da greve, a Secretaria Estadual de Educação informou que pagará um bônus por mérito aos cerca de 200 mil profissionais do setor, entre professores e servidores, que totalizará R$ 290 milhões.

Estão na lista cerca de 200 mil profissionais, incluindo professores, diretores, agentes de organização e equipes técnicas das escolas e órgãos centrais.

Como em 2016, o valor do benefício que cada profissional receberá é proporcional a 0,07 salário extra (desde que esteja em escola que atingiu sua meta).

Ou seja, são 7% do salário médio mensal, que deve ser multiplicado por 12 meses do ano. Já o profissional que trabalha em escola que superou sua meta poderá receber até um salário mensal.

“Todo o conteúdo perdido (com a paralisação) será reposto em data a ser determinada. Os docentes que não justificarem a falta terão o dia descontado”, diz o comunicado.

A secretaria informou ainda que manterá uma mesa de negociação com os sindicatos da categoria.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar