,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Festa de Tupi será neste sábado; festejos de São João começam às 6h
  • Campanha de vacinação contra gripe termina sexta
  • TCE julga irregular contrato do Semae

Loja Maçônica instala obra na entrada da cidade
Fernando Jacomini
04/08/2017 07h36
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Monumento com cerca de dez metros de altura e quatro de comprimento, com colunas e um símbolo, disposto na entrada da cidade — entre a avenida Pádua Dias e Independência —, tem chamado a atenção das pessoas e dividido opiniões. O local é público, mas a prefeitura informou que autorizou a construção e que a responsabilidade é da Loja Maçônica.
 
Todos os dias o pedreiro Carlos Lemes, 44, passa em frente à obra. A princípio, achava que seria uma homenagem feita à Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) ou uma possível mudança do peixe de lugar, já que foi alvo de pichações na SP-304.
 
“Está ficando admirável, muito bonita e moderna. Independentemente de ser algo voltado à maçonaria ou a qualquer outra coisa, as pessoas têm de valorizar a beleza que está trazendo para a entrada da cidade”, opinou.
 
O novo monumento chamou a atenção da auxiliar de limpeza Michele Torres, 24, que chegou a tirar fotos da construção e disse que ela causa poluição visual.
 
“Piracicaba já está cheia de monumentos, e, quanto mais constróem, mais os ambientes da cidade ficam feio”, opinou.
 
A estudante de arquitetura Emeriana Classere, 20, opinou que ele enriquece o visual da cidade.
 
“É diferente e interessante, pois é algo a mais que as pessoas olham quando chegam a Piracicaba, além do peixe”, disse, contando ser favorável a construções que representem outros movimentos.
 
Para o garçom Marcelo Santos, 25, não faz o mínimo sentido a permissão para o levantamento da construção.
 
“Se autorizam a construção de algo que tem relação com a maçonaria, a prefeitura acaba abrindo brecha para que outras coisas que não sejam relacionadas com a cultura da cidade também sejam erguidas. Isso não é nada bom.”
 
O JP procurou a Loja Maçônica para falar sobre o monumento, mas não encontrou os responsáveis.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar