,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Todos os presidentes que ganharam filmes no País
  • Retrospectiva de Rodrigo Andrade está entre as dicas de exposições da semana
  • Ocimar Versolato morre aos 56 anos em São Paulo

Petrobras reajusta preço do gás de cozinha em 12,9%
Fernando Jacomini
11/10/2017 12h31
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
O preço do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) em botijões de uso residencial de até 13 kg, o P-13, vai subir em até R$ 10 a partir de hoje em Piracicaba. A mudança acontece por causa de novo reajuste de preços, definido pela Petrobras, sendo que, desta vez, a elevação é de 12,9%.
 
Em uma revenda no Jardim Monumento, o gás residencial é vendido a R$ 70, e, agora com a variação de preço, passará a custar R$ 80 (aumento de 14,3%). Segundo Dirlei Carvalho, proprietário do depósito, o reajuste acima do definido pela Petrobras está relacionado a outras elevações que já aconteceram durante o mês.
 
“Não conseguimos repassar a última alteração ao consumidor final, e, com isso, precisaremos, agora, passar tudo de uma vez. Esse foi mais um aumento que nos pegou de surpresa, sendo que é um dos maiores do ano. Ninguém mais suporta isso, principalmente porque o gás, por ser item essencial, não deixa de ser usado, independentemente do preço”, disse.
 
Ele explicou que, pelo fato de os clientes quererem garantir o valor ainda menor, o estoque acabará rapidamente, e que, com isso, provavelmente antes do fim de semana o gás de uso residencial tenha de ser comercializado já com o acréscimo de preço.
 
Já em outro depósito no Parque 1° de Maio, o P-13 terá reajuste de 6,6% a partir de hoje, passando de R$ 75 para R$ 80.
O último reajuste ocorreu em 26 de setembro de 2017, a alteração atual não se aplica ao GLP destinado a uso industrial/comercial.
 
ENTENDA — Segundo a Petrobras, o percentual de reajuste, que entrou em vigor à 0h de hoje, foi calculado de acordo com a política de preços divulgada em junho e reflete, principalmente, a variação das cotações do produto no mercado internacional.
 
“Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores”, explicou em nota.
 
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar