,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Burberry queima R$ 141 milhões em produtos que não venderam
  • A tragédia da morte de Euclides da Cunha
  • Festa da Polenta de Santa Olímpia deve receber 12 mil visitantes

Aruk recebe homenagens ao ser enterrado no cemitério
Cristiani Azanha
13/04/2018 12h52
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
O pastor belga de malinois Aruk não era simplesmente um cão. Considerado entre os integrantes do Canil Setorial da Polícia Militar como o cão mais completo de todas as várias ninhadas que já passaram por lá, seus oito anos dedicados à corporação foram marcados por grandes apreensões de droga, perseguição a suspeitos e já ganhou muito carinho das crianças pelas escolas por onde se apresentou. Sua despedida também não poderia ser em vão. Como de fato não foi. Após sua morte no último domingo (8), ele foi encaminhado para o Canil da São Paulo, e, provavelmente, seria descartado como qualquer outro, mas a intervenção do comandante da Companhia de Força Tática, que inclui o Canil, o capitão Antonio Carlos Rugero Filho, garantiu que Aruk fosse sepultado ontem, no Cemitério dos Animais de Piracicaba.
 
Aruk só não foi enterrado com honras militares, porque se trata de uma honraria concedida exclusivamente aos policiais que morrem em serviço, mas ele conseguiu o mais perto disso do que um cão poderia chegar. 
 
Os policiais, que por muitos anos estiveram com ele durante as execuções do trabalho, participaram da despedida. Entre eles, seu condutor, o cabo da Polícia Militar Youssef Tannous Tanche Junior, com quem conviveu sete de seus oito anos. Foi Youssef quem deu o último adeus ao seu companheiro. Juntos, tiveram muitas conquistas.
 
“A medalha que carrego comigo por causa de uma das várias ocorrências que atendemos juntos. Ele ajudou na abordagem de um envolvido em furto de moto. Nunca mais teremos um cão como ele. Ao mesmo tempo que ele tinha que morder alguém, bastava que recebesse um comando para que as crianças pudessem fazer carinho. O temperamento dele era incrível”, disse Youssef.
 
O capitão disse que o Aruk foi um grande animal, um cão fiel ao seu condutor e ao serviço a que ele se prestava. “Para muitos era apenas um cachorro, mas para nós era um verdadeiro policial militar, só que de quatro patas.Será sempre lembrado por todos pelo seu grande desempenho.Realmente era nossa estrela, o cão mais completo que passou pelo Canil Setorial do 10º”, enfatizou Rugero.
 
 
TATUAGEM
 
Aruk não ficará guardado somente no coração de seu condutor, mas em sua pele. Em breve o cabo Youssef fará uma tatuagem com seu companheiro. “O momento que mais me recorde dele é quando olhava para ele na viatura. Foram muitos momentos juntos. Minha esposa também ficou muito triste, pois seu lugarzinho conosco já estava preparado”, afirmou o condutor.
 
“Pretendo eternizar sua memória com uma foto dele junto dos demais cães que passaram pelo nosso plantel e que tombaram no cumprimento do dever”, disse Rugero.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar