,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Gretchen aproveita momento em alta e estreia reality show com sua família
  • 'Westworld' abre nova temporada com sangue
  • Com 'Despacito', 16 semanas no topo das paradas dos EUA, Luis Fonsi mudou o jogo

Preço da cebola sobe 33% em um mês nos varejões municipais
Felipe Poleti
12/04/2018 14h01
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Presente em praticamente todas as receitas da culinária brasileira, a cebola virou a vilã da inflação no último mês. Segundo levantamento da Sema (Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento), o bulbo que é um dos 37 mais procurados nos varejões municipais apresentou alta de 33%. Em 14 de março o alimento era encontrado por R$ 2,88 o quilo, mas, em 11 de abril, o preço praticado já estava em R$ 3,84.
 
De acordo com o diretor do departamento de Abastecimento da Sema, Nilton Rubens Barbosa, o preço da cebola subiu por dois motivos: o primeiro, pela baixa produtividade, e segundo, pela grande procura na Semana Santa. “A cebola se valorizou em todas as regiões produtoras do país devido a maior demanda pela hortaliça na Semana Santa, aliado a isso, a qualidade de algumas cebolas nordestinas e a colheita foram prejudicadas pelas chuvas que ocorreram nas últimas semanas”, disse Barbosa.
 
Outros produtos que também registraram alta considerável nos preços foram a alface crespa: 12,57%(de R$ 1,75 para R$ 1,97, a unidade), repolho verde, 22,61% (de R$ 1,15 para R$ 1,41, o quilo), Laranja Pera, 25,33% (de R$ 1,55 para R$ 1,88, a caixa) e uva niagara ou rosada, 12,5% (de R$ 8 para R$ 9, a caixa). “Apesar de algumas hortaliças terem apresentado alta nos preços, a maioria não registrou variação de preço, porém, nos próximos dias a tendência é de que os preços de produtos como alface, couve, almeirão, agrião e repolho venham a subir já que a demanda segue grande e a produção está prejudicada devido à instabilidade do clima”, afirmou Barbosa.
 
Os hortifrutis que apresentaram redução considerável nos preços foram: maracujá azedo (23,99%, de R$ 5,21 para R$ 3,96, a caixa), pêra willians (16,69%, de R$ 8,33 para R$ 6,94, a caixa), tomate salada (13,33%, de R$ 4,80 para R$ 4,16, a caixa), vagem macarrão (12,56%, de R$ 7,88 para R$ 6,89, o quilo). Permaneceram estáveis o preço do chuchu (R$ 1,28, a caixa) e o alho nacional (R$ 19,20 o quilo).
 
Barbosa enfatizou que a divulgação deste levantamente mostra que o consumidor que fizer compras completas em qualquer um dos varejões municipais gastará até 35% menos em comparação com a compra completa na iniciativa privada. “A minha dica é para o consumidor, mesmo nos varejões onde o preço é tabelado, antes de realizar as suas compras, faça uma pesquisa e, caso de produtos com preços altos, tente substituí-los por produtos mais baratos.”
 
 
SEMANA - Nos indicadores apresentados pela Sema, o preço das hortaliças permaneceram estáveis ao longo dos últimos sete dias. Dos 37 produtos pesquisados neste período, os que tiveram maiores altas foram: cebola (33,3%), beterraba (2,4%), cenoura (2,23%), quiabo (11%), pepino caipira (12,5%), uva niagara (2,86%), melão (20%) e maçã gala (12,76%). Os produtos que tiveram redução de preços foram: batata (12,5%), chuchu (9,22%), pimentão verde (7,14%), tomate salada (3,7%), maracujá azedo (15,57%), limão taiti (6%), melancia (7,98%) e banana nanica (12,40%).
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar