,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Festa de Tupi será neste sábado; festejos de São João começam às 6h
  • Campanha de vacinação contra gripe termina sexta
  • TCE julga irregular contrato do Semae

Comércios serão regularizados em 6 meses
Da redação
14/06/2018 12h55
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
A Prefeitura de Piracicaba deu um prazo de seis meses para os comerciantes do Bosques do Lenheiro regularizarem as documentações dos seus estabelecimentos comerciais. O prazo foi concedido em reunião na terça-feira à tarde com comerciantes do bairro e representantes das secretarias de Administração, Obras, Finanças, Chefia de Gabinete e Procuradoria Geral do Município. A informação é do vereador Paulo Campos (PSD), que participou do encontro.
 
Na semana passada, uma nova operação de fiscalização culminou com o fechamento desses estabelecimentos. De acordo com o vereador , que foi procurado por esses comerciantes e acompanhou o problema, o impasse é a falta de regularização dos terrenos que foram destinados pela Emdhap (Empresa Municipal de Desenvolvimento Habitacional de Piracicaba) aos moradores de baixa renda. “A prefeitura pediu um prazo para regularizar os bairros até janeiro de 2019. Acredito que tudo será resolvido”, disse.
 
Em dezembro de 2015, a prefeitura informou que iria iniciar o processo de assinatura dos contratos de comercialização dos 1.371 terrenos de interesse social do bairro. O processo de legalização do bairro e transferência dos imóveis dependia da regularização fundiária da área ocupada, que foi concluída em setembro daquele ano, depois de 17 anos do início do projeto de moradia.
 
O comerciante Leonardo dos Reis Moreira, proprietário de um bar, disse que procurou a prefeitura e foi orientado a procurar o cartório de registro de imóveis e providenciar a documentação necessária para entrar com o pedido de alvará. 
 
“Na reunião de ontem eles estenderam o prazo para mais seis meses. No entanto, como vou regularizar minha situação já que a Emdhap não fornece a escritura do terreno, que eu quitei em 2016. Não adiante ficarem prorrogando o prazo a cada seis meses, queremos as escrituras dos terrenos que pagamos e que são nosso por direito”, disse. 
 
A comerciante Emília de Macedo e Silva, também passa pelo mesmo problema. “Ao todo são 20 anos que temos o comércio aqui no bairro. Foram 16 anos com meu falecido marido e outros quatro comigo. Nós, moradores e comerciantes do Bosques do Lenheiro e do Jardim Gilda queremos que a prefeitura nos entregue as escrituras que são nossa por direito. Somente desta forma, podemos trabalhar o morar livres do fantasma da ilegalidade. Nós pagamos por esta terra, temos o direito dessa escritura”, salientou. 
 
A Prefeitura de Piracicaba foi procurada para comentar o assunto, no entanto, até o fechamento desta edição não houve retorno. 
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar