,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Festa de Tupi será neste sábado; festejos de São João começam às 6h
  • Campanha de vacinação contra gripe termina sexta
  • TCE julga irregular contrato do Semae

Professores da Unimep mantêm paralisação
Felipe Poleti
14/06/2018 13h29
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Em greve desde o último dia 7, os docentes da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba) decidiram no final da noite de anteontem, manter a paralisação por tempo indeterminado até que os salários de todos os professores sejam pagos integralmente pela mantenedora da universidade, a Rede Metodista. Apesar da decisão, conforme a diretoria da Adunimep (Associações dos Docentes da Unimep), aconteceram reuniões nas salas dos professores nos campi de Piracicaba e Santa Barbara d’Oeste na manhã e noite de terça-feira e, hoje, às 19h30, nova assembleia acontece no campi Taquaral para decidir os rumos da mobilização.
 
Em carta aos professores, a Adunimep afirma que a decisão de manter a greve “foi tomada diante do desrespeito permanente a que os docentes são submetidos” e reafirmaram que “a greve seguirá por tempo indeterminado até que a direção-geral do IEP (Instituto Educacional Piracicabano) comunique oficialmente a associação, ao Sinpro (Sindicato dos Professores) e aos docentes o pagamento integral de todos os salários”.
 
Na assembleia de anteontem, segundo informou a Adunimep, vários professores relataram que os salários ainda não foram pagos em desrespeito à legislação trabalhista, à Convenção Coletiva de Trabalho e ao TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado diante do MPT (Ministério Público do Trabalho) em 22 de março por um representante do Consad (Conselho Superior de Administração) das instituições metodistas de educação.
 
A diretoria da Adunimep, com apoio do Sinpro, destacou que a greve já “é parcialmente vitoriosa” e explicou que, em abril, os salários foram pagos com 15 dias de atraso, “coincidentemente no dia da assembleia para votação de greve” e inteirou: “Neste mês, os salários começaram a ser pagos com um dia de atraso diante da possibilidade de deflagração do movimento grevista. Consideramos agora que devemos aumentar nossa força, engrossar a greve e exigir que todos os professores sejam pagos”. 
Conforme enfatizou comunicado do Sinpro, a notificação sobre a continuidade da greve foi protocolada ontem pela manhã, junto à reitoria da Unimep, “destacando-se que a suspensão imediata da greve ocorrerá a partir do comunicado oficial do reitor sobre o pagamento integral dos referidos salários”, finalizou.
 
A reportagem tentou contato com a reitoria da Unimep e com a mantenedora da universidade, no entanto, novamente não enviou seu posicionamento sobre o assunto até o fechamento da matéria.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar