Cinco cães do Canil Setorial da PM se aposentam

Polícia Cão Shark atuou em faro de entorpecentes. (Foto: Divulgação)

Depois de oito anos dedicados à corporação, cinco “cães-policiais” deixarão de atuar no patrulhamento da cidade, faro de entorpecentes, ou armas, e nem participarão de apresentações de adestramento. Eles irão desfrutar a merecia aposentadoria. Alguns serão doados para os próprios policiais militares ou civis (desde que comprovem que terão a estrutura necessária para receber os guerreiros das ruas.

O comandante da Companhia de Força Tática e Canil, capitão Marcelo Henrique de Lima disse que todos os cães que trabalharam lado a lado com seus condutores, além do treinamento constante, também recebem cuidados como acompanhamento veterinário, abrigo em boas condições e limpos, além de receber a atenção de seu condutor, que também é responsável pela limpeza e alimentação do “cãopanheiro” de quatro patas.

“Os cães são utilizados em vários tipos de ocorrência, além de preservar pela segurança da equipe, ele também localiza entorpecentes em qualquer lugar, basta que a droga libere qualquer partícula no ar, que certamente irá encontrá-la”, disse o comandante.

O cabo Neto está se despedindo, pelo menos do trabalho, do pastor belga de malinois Shark, com quem conviveu nos últimos quatro anos. “O Shark é fantástico. Durante o apoio a Polícia Militar Rodoviária, ele conseguiu encontrar 160 quilos de droga e dois fuzis que estavam escondidos dentro de um tanque de combustível, em São Pedro. Teve um outro caso, em que o Shark encontrou 30 quilos de maconha que estavam enterrados em uma área verde, no bairro Pau Queimado. Ele também localizou mais cinco quilos de maconha que estavam às margens do Rio Corumbataí. A separação não será uma tarefa fácil, pois uma parceria de muitos anos”, disse o policial.

A soldado Pizzol está conduzindo o Hex há apenas seis meses, mas foram suficientes para criar um vínculo de afeto. “Estou há pouco tempo no Canil e já sei que vou sentir falta, imagino como está sendo para os policiais mais antigos que acompanharam os cães desde filhote”, afirmou a Pizzol.

Os outros cães que como dizem os policiais estão indo para inatividade são a Zara, que era conduzida pelo cabo Gama, o Huck que ficou alguns meses na companhia do cabo Youssef.

O cabo Juliano está deixando o Haico, que foi considerado o primeiro cão do Canil de Piracicaba a farejar armas, além de droga. “Fico feliz em saber que ele voltará para seu antigo condutor que era da nossa equipe, mas atualmente está no Canil Central, em São Paulo”, comentou Juliano.

(Cristiani Azanha)