Cinquenta anos da chegada à lua

Estamos comemorando 50 anos da chegada humana ao solo lunar. Neil Armstrong foi o primeiro homem a pisar na lua no dia 20 de julho de 1969, com a bem-sucedida missão Apollo 11. Buzz Aldrin foi o segundo, que juntamente com Amstrong, chegou à lua no módulo de exploração Eagle (“Águia”). O terceiro astronauta da missão, Michael Collins, permaneceu na nave Columbia para garantir a segurança do retorno dos três. Armstrong, o comandante da missão espacial, ao pisar no solo lunar, fez a célebre declaração: “Esse é um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade.” Um quarto da humanidade acompanhava ao vivo, pela TV e pelo rádio, o momento da sua descida na lua.

A história da chegada do homem à lua foi determinada a partir da competição pelo domínio da tecnologia espacial entre russos e americanos, durante a Guerra Fria. Os soviéticos chegaram a realizar o pouso da primeira sonda na lua em 1966. Mas, três anos depois, a NASA, a Agência Espacial Americana, conseguiu o feito maior. Foram 400.000 pessoas envolvidas no esforço colossal para ultrapassar a conquista tecnológica russa: engenheiros, programadores, e até costureiros responsáveis pela confecção dos trajes espaciais.

Até hoje os Estados Unidos são o único país que conseguiu realizar missões tripuladas por astronautas à lua. Mais recentemente a China conseguiu avançar na tecnologia espacial realizando o pouso de aeronaves não tripuladas.

A chegada do homem à lua deixou um legado que permitiu o desenvolvimento de diversas inovações e invenções nos mais variados setores, tais como: scanners que detectam células cancerígenas, microchips de computadores, aparelhos sem fio, termômetros auriculares, alimentos secos congelados, isolantes térmicos, aparelho dentário invisível, joysticks usados em videogames, detectores de fumaça, televisão via satélite, lentes anti-riscos, filtros domésticos de água, maiôs de natação que reduzem o atrito na água, e até a espuma com memória, empregada em travesseiros, colchões e capacetes que absorvem choques.

Atualmente, a agência espacial americana ambiciona voltar para explorar os recursos da lua, e lá permanecer, com a criação de uma base lunar. A NASA lançou o programa Artemis para levar novos astronautas à lua até 2024. Para isso, está fazendo parcerias com a iniciativa privada para desenvolver novas tecnologias. Os bilionários Elon Musk, presidente da companhia de carros elétricos Tesla, e Jeff Bezos, fundador da companhia Amazon, criaram, respectivamente, as companhias SpaceX e Blue Origin para desenvolver tecnologia espacial, almejando realizar viagens comerciais à lua.

Astronautas do sexo feminino estão sendo treinadas para que, finalmente, pela primeira vez, uma mulher chegue a pisar no solo lunar. A NASA, além disso, ambiciona fazer o homem chegar à Marte, o planeta vermelho, o qual já tem a sua superfície mapeada.

Um grupo de estudantes brasileiros de Goiás conseguiu desenvolver um chiclete com pimenta para ajudar astronautas a preservarem o olfato e o paladar no espaço, já que o condimento desbloqueia células do nariz e da boca. Ganharam uma competição de robótica realizada em Virgínia, nos Estados Unidos.

Para quem não presenciou a primeira viagem de 50 anos atrás, a nova empreitada tecnológica promete gerar uma nova fase de conquistas e desenvolvimento, que revolucionarão o mundo que conhecemos hoje.