Colecionismo em Movimento conta, no Rio, história através do dinheiro

Colecionismo em Movimento conta, no Rio, história através do dinheiro
Fonte: Agência Brasil

A Casa da Moeda do Brasil (CMB) promove, no Rio de Janeiro, em parceria com a Sociedade Numismática Brasileira (SNB), a mostra Colecionismo em Movimento. A numismática é a ciência que estuda as moedas e as medalhas.

De hoje (23) até o próximo sábado, dia 25, o palacete da Casa da Moeda, no centro do Rio, levará gratuitamente ao público informações sobre a ciência que estuda o dinheiro. A ideia é, a partir da numismática, incentivar o colecionismo de medalhas, moedas, cédulas e selos postais.

Exposição Centro Cultural da Casa da Moeda do Brasil apresenta medalhas no evento Colecionismo em Movimento, que tem objetivo de fomentar a prática de colecionar medalhas, moedas, cédulas e selos postais.

Casa da Moeda sedia, no Rio, a mostra Colecionismo em Movimento, que visa fomentar a coleção de medalhas, moedas, cédulas e selos postais (Tomaz Silva/Agência Brasil)

O evento teve início hoje quando a empresa lançou o novo conjunto de medalhas coloridas: a série Bichos do Real, com os animais que estampam as cédulas da segunda família do Real.

Lá estão, entre muitas, a tartaruga-pente, que estampa a cédula de R$ 2; a garça branca grande (R$ 5); a arara vermelha (R$ 10); o mico-leão- dourado (R$ 20); a onça pintada (R$ 50) e também a garoupa (R$ 100).

E ao lirismo da exposição se segue uma proposta inovadora e sustentável: a produção das peças é feita com metais reciclados e as medalhas usam matéria- prima florestal certificada no papel autoadesivo das cartelas das medalhas.

A Casa da Moeda vai doar parte da renda das medalhas ao projeto Tamar, organização não governamental atuante na preservação de tartarugas marinhas ameaçadas de extinção e um dos mais ambiciosos projetos de recuperação e preservação de espécies ameaçadas no país.

Com entrada gratuita, a mostra oferece uma programação diversificada para levar maior conhecimento sobre a numismática e o colecionismo.

Com ciclo de palestras, exposições e espaços para negócios, a promoção oferece aos colecionadores e simpatizantes da numismática e da filatelia três dias para conhecer, apreciar e trocar cédulas, moedas, medalhas e selos postais, entre muitos outros itens expostos por colecionadores de todo o país.

Prédio tem grande valor histórico

Mais que um palacete de quase 200 anos, o prédio da Casa da Moeda é uma obra de grande valor histórico para a memória do país.

Foi neste imóvel que Dom João VI abrigou o primeiro museu do país – o Museu Real -, criado por decreto em 6 de junho de 1818, há exatos 200 anos.

Com a evolução da monarquia para o império e depois para a república, o museu é rebatizado de Imperial e Nacional. Desde então, passou por constantes processos de mutações até se reinventar como sede da Casa da Moeda.

Antes, em 1892, com a transferência do Museu Nacional para a Quinta da Boa Vista, onde está até hoje, o palacete passou a ser a sede da Superintendência de Guerra e do Fórum do Rio de Janeiro.

Exposição Centro Cultural da Casa da Moeda do Brasil apresenta medalhas no evento Colecionismo em Movimento, que tem objetivo de fomentar a prática de colecionar medalhas, moedas, cédulas e selos postais.

A série Bichos do Real, com os animais que estampam as cédulas da segunda família do Real, foi lançada hoje na Casa da Moeda    (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Em 1907, abrigou o Arquivo Nacional, que funcionou ali até 1985 e fez inúmeras reformas internas e externas, descaracterizando as plantas originais.

Foi ainda na fase do Arquivo Nacional que se instalou no prédio o primeiro elevador elétrico do Brasil, possivelmente também o primeiro na América Latina. Entre 1988 e 1998, o imóvel foi ocupado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Em 2016 o prédio foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan.

Mas as mutações por que passou o palacete não param por aí: suas fachadas originais foram associadas ao período de transição que marcou a passagem da arquitetura da fase colonial para a neoclássica.

Durante o processo de restauro, foi encontrado um sítio arqueológico e houve um estudo, realizado com o apoio do Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB) e acompanhamento da Subsecretaria de Patrimônio Cultural, Intervenção Urbana, Arquitetura e Design e do próprio Iphan.

O estudo levou à descoberta de mais de 50 mil artefatos arqueológicos de diferentes tipos, materiais e classes dos séculos 18 e 19: cerâmicas, louças, porcelanas, cachimbos, moedas e cadinhos, pisos pé-de-moleque, baldrames e materiais associados a escravizados africanos foram encontrados. Desde então, todo este acervo está sob a guarda da Casa da Moeda.

*Com informações da Casa da Moeda 

Colecionismo em Movimento conta, no Rio, história através do dinheiro