Comissão do Semae encaminha denúncias

"População merece saber o que acontece", diz o vereador Paulo Serra (Foto: Claudinho Coradini/JP) “População merece saber o que acontece”, diz o vereador Paulo Serra (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Os vereadores membros da Comissão de Estudos do Semae (Serviço Municipal de água e Esgoto) encaminharão ao MP (Ministério Público) os depoimentos dos servidores da autarquia que denunciaram irregularidades com relação a fiscalização do esgoto.

“É um trabalho cansativo, mas a população de Piracicaba merece entender o porquê da constante falta de água nos bairros e o valor abusivo das tarifas”, afirmou o relator da Comissão de Estudos, o vereador Paulo Serra (PPS), na tribuna, durante a reunião ordinária, da última quinta-feira (25).

O parlamentar anunciou que já foram ouvidos cinco funcionários da autarquia e, ainda nesta semana, serão ouvidos outros três. De acordo com Serra, já foram encaminhadas diversas denúncias ao Ministério Público, que vai apurar se há ou não irregularidades no serviço.

“A população deve ficar ciente de que temos orientação jurídica e estudamos para fazer as perguntas e questionar os que vão depor. Estou esperançoso com a formação da comissão; é um trabalho que está sendo realizado com ética, de maneira apartidária, todos cooperando para chegarmos a um consenso final, com a entrega do relatório”, declarou Paulo Serra.

Já o vereador Pedro Kawai (PSDB), membro da comissão, parabenizou os funcionários da Casa por “contribuírem efetivamente” com as investigações.

Paulo Serra ressaltou ainda que a população que tiver interesse, informações ou denúncias que possam contribuir com os trabalhos da comissão podem utilizar o endereço eletrônico: [email protected]

Na semana passada, o vereador e presidente da Comissão de Estudos Laércio Trevisan Jr. (PR), divulgou o conteúdo dos depoimentos dos servidores da autarquia. O republicano classificou como “um fato de bastante gravidade” o relato de dois funcionários que exerciam a função de fiscais junto às estações de tratamento de esgoto. Segundo os depoimentos, o presidente da autarquia pediu a estes servidores para que fizessem “vista grossa” nesta questão, razão pela qual foram transferidos.

Beto Silva