Concessionária retira uma tonelada de lixo da Rodovia do Açúcar

Em dois anos, mais de uma tonelada de lixo foram recolhidas das margens da rodovia Comendador Mário Dedini (SP 308), também conhecida como Rodovia do Açúcar, e do contorno de Piracicaba. A informação foi divulgada pela Rodovias do Tietê, responsável pela administração do trecho. De acordo com a concessionária, foram 544 quilos em 2016 e outros 501 quilos de lixo doméstico, entulhos, móveis, garrafas, latas de alumínio, por exemplo, recolhidos.
 
Conforme explicou, foram coletados mais de 5,6 toneladas de lixo que estavam às margens das rodovias sob sua jurisdição nos anos de 2016 e 2017. “Em alguns locais, o acúmulo de lixo é gerado por moradores lindeiros que utilizam a área às margens das rodovias como depósitos de lixo, sem realizar o descarte correto de restos de alimentos, móveis, entre outros objetos. Há também o lixo gerado por usuários que arremessam embalagens vazias, papéis e plásticos pelas janelas dos veículos, fazendo com que o lixo se acumule nos acostamentos”, informou a Rodovias do Tietê.
 
A concessionária realiza, rotineiramente, os trabalhos de conservação como corte ou roçada manual de mato, que auxilia no recolhimento do lixo, onde catadores separam os materiais e os acondicionam em sacos plásticos e caminhões que passam fazendo a coleta nos pontos estabelecidos.
 
As equipes trabalham diariamente, mas em pontos distintos das rodovias SP-300, SP-101, SP-308, SP-113 e também nos acessos mantidos pela concessionária. “Os caminhões de lixo também fazem a retirada de detritos nos postos SAU, praças de pedágio e bases da Polícia Militar Rodoviária. Todos os lixos e detritos recolhidos são destinados a aterros sanitários próprios para o recebimento desses materiais”, complementa a concessionária.
 
É importante ressaltar que, o lixo jogado nas rodovias pode causar sérios danos à manutenção das próprias vias e também aos usuários. Segundo a empresa, ao arremessar qualquer objeto pela janela do carro, por exemplo, “pode-se atingir outro veículo, causando um acidente”. “Também, alguns objetos podem se tornar, devido ao acúmulo de água, criadouros do mosquito Aedes Aegypti transmissor de diversas doenças, como: dengue, chikungunya, zika e febre amarela”, ponderou.