Confiança do consumidor cai 19,9% em março, aponta Sincomércio

Após subir por dois meses seguidos, o ICC (Índice de Confiança do Consumidor) tem forte queda em março. Apurado mensalmente pelo Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Piracicaba), o ICC caiu tanto na comparação com fevereiro (19,9%), quanto com o mesmo mês do ano passado (13,9%) e registra o índice de 105,2 pontos. De acordo com a entidade, apesar da queda, o ICC acima dos 100 pontos ainda reflete otimismo do consumidor piracicabano. A pontuação varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total).
 
De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), a queda no ICC de março já era esperada. Isso porque em janeiro e fevereiro a confiança ainda sofreu os impactos positivos do pagamento do 13º salário e do reajuste do salário-mínimo. “Com o esgotamento desses recursos, aliado ao pagamento das despesas de início de ano, como IPTU, IPVA e material escolar, é natural que ocorra um ajuste em março”, explica o presidente do Sincomércio, Itacir Nozella.
 
O ICEA (Índice das Condições Econômicas Atuais) apresentou o maior recuo, de 22,3%, ao passar de 101,8 pontos em fevereiro para 79,1 em março. Já em relação a março de 2017, houve crescimento de 4,5%. O IEC (Índice de Expectativas do Consumidor), baixou 18,9%, no mês e 20% em 12 meses, somando 122,6 pontos. 
 
 
 
CONSUMIDOR—O ICC é apurado mensalmente pelo Sincomércio Piracicaba desde fevereiro de 2017. Os dados são coletados com 601 consumidores. O objetivo é identificar o sentimento dos consumidores levando em conta suas condições econômicas atuais e suas expectativas quanto à situação econômica futura. 
 
 
 
INFLAÇÃO—A expectativa mediana dos consumidores brasileiros para a inflação nos próximos 12 meses ficou em 5,3% neste mês e atingiu o menor nível desde setembro de 2007 (5,2%). Segundo a FGV (Fundação Getulio Vargas), a taxa ficou próxima da registrada no levantamento de fevereiro (5,4%). O cálculo da expectativa da inflação é feito com base na resposta dos consumidores para a seguinte pergunta: “Na sua opinião, de quanto será a inflação brasileira nos próximos 12 meses?”. Em nota, a assessoria da FGV informou acreditar que, “como não se esperam grandes flutuações no nível de preços, a expectativa de inflação dos consumidores se manterá nesse patamar nos próximos meses”.