Consema vota hoje APAs de Tanquã e Barreiro Rico

APAs Membros da Rede Birdwatching coletando assinaturas. ( Foto: Amanda Vieira/JP)

Entra em votação na capital hoje (13), às 8h30, no Consema (Conselho Estadual de Meio Ambiente do Estado de São Paulo), a criação de duas Unidades de Conservação de Uso Sustentável, as APAs (Áreas de Proteção Ambiental) de Tanquã e do Barreiro Rico. A votação ocorre após levantamento técnico da biodiversidade do local apresentado em audiência pública em agosto, que teve aprovação para a criação das APAs.

Segundo Maria Cristina Arzolla, coordenadora da Rede Birdwatching, a expectativa é de otimismo, mas o clima é de corrida para que o atual governador Márcio França (PSB) aprove as APAs. “A Rede é multidisciplinar porque atinge todas as profissões adeptas dessa temática, sendo integrada por fotógrafos, professores, artistas plásticos e não só por biólogos e engenheiros. O público leigo está aderindo. Fizemos uma mobilização no final de semana, no Parque da Rua do Porto, com cerca de 30 pessoas da Rede Birdwatching, para coletar assinaturas para fortalecer e acelerar a aprovação pelo governador Márcio França, ainda neste ano, antes da troca de governo”, destaca Maria Cristina.

O abaixo-assinado foi divido em virtual e impresso. A coordenadora da Rede ressalta que foram obtidas mais de 500 assinaturas virtuais e 150 impressas. A área para criação da APA Tanquã está entre os municípios de Anhembi, Botucatu, Dois Córregos, Piracicaba, Santa Maria da Serra e São Pedro, com mais de 14 mil hectares. Essa região destaca-se pelas áreas úmidas e terrestres, que do ponto de vista biológico, estão entre as mais importantes da Mata Atlântica brasileira.

O Tanquã, uma área do rio Piracicaba inundada a partir da barragem de Barra Bonita, é conhecida como Pantanal paulista pelas mais de 100 espécies de aves aquáticas que abriga, além de servir como área de repouso para várias espécies migratórias que vêm de outros lugares do Brasil e da América do Norte. Próximo dessa região, estão as matas do Barreiro Rico, que conserva biodiversidade da Mata Atlântica, com gigantes da floresta como a peroba-rosa e o jequitibá e cinco das de dez espécies de macacos que ainda existem no Estado de São Paulo, como o muriqui, o maior primata das Américas, espécie ameaçada de extinção, por exemplo. “O objetivo da criação das APAs é promover um turismo ecológico sustentável. Em Tanquã já existe uma comunidade de pescadores, com dez famílias residentes que vivem da pesca artesanal. Com a APAs, pela Fundação Florestal seria possível fiscalização, organização do turismo”, cita Maria Cristina.

(Eliane Teixeira)