Consultório cadastra 250 moradores em situação de rua em Piracicaba

Cerca de 250 moradores de rua de Piracicaba já foram cadastrados no projeto CnaR (Consultório na Rua), da Secretaria de Saúde, criado há pouco mais de um ano para atender a Política Nacional de Atenção Básica. O objetivo é atuar frente aos diferentes problemas e necessidades de saúde dessa população específica. Segundo a pasta, do total de cadastros, 18% são mulheres e 82%, homens. A maioria (70%) tem de 20 a 49 anos, faixa etária considerada economicamente produtiva. Quanto à escolaridade, apenas 12% (29 pessoas) completou o ensino básico.
 
Para a coordenadora da Rede Psicossocial, Vandrea Novello, responsável pelo projeto, o público atendido perdeu o vínculo familiar ou tem uma estrutura familiar fragilizada. O levantamento mostrou que 44% dos moradores de rua romperam os vínculos por desentendimento familiar. “Quando alguém opta por morar na rua, também demonstra que perdeu os vínculos institucionais, ou seja, mesmo doente, não busca atendimento médico no SUS. O Consultório na Rua foi criado para esta finalidade ajudá-lo a recuperar as condições básicas de saúde e de relação social”, disse Vandrea.
 
O estudo do CnaR mostra que o uso de substâncias psicoativas é muito prevalente nessa população, chegando a 92% dos usuários. Deste total, 71% faz uso de álcool, devido ao baixo custo e aos problemas inerentes ao estilo de vida que levam. “Dos usuários atendidos pelo CnaR, observa-se que a baixa escolaridade, antecedentes criminais e dependência de substâncias psicoativas dificultam a inserção e a manutenção no mercado de trabalho”, aponta o levantamento.
 
Vandrea lembrou que as principais doenças diagnosticadas entre estes moradores de rua observados pelo projeto são hipertensão arterial, diabetes, doença cardíaca, doença respiratória, tuberculose, HIV, hepatite C, sífilis e transtorno mental. “Se nós não atendermos este tipo de público eles podem transmitir essas doenças de forma descontrolada e gerar mais ônus ao município e à população em geral”, disse a coordenadora.
 
 
RELATO – Uma das pessoas que recebem o atendimento do CnaR é F.C.B., 40. De acordo com a prefeitura, ela foi localizada pelo Seas (Serviço Especializado de Abordagem Social), às margens da rodovia Deputado Laércio Corte (SP-147), entre Piracicaba e Limeira, em condições higiênicas precárias, enrolada numa lona e com discurso delirante e acelerado. “Agressiva e sem documentos e se recusava a ser atendida. Com apoio do Samu (Serviço de Atendimento Médico de Urgência) e da Guarda Civil a paciente foi conduzida para avaliação e estabilização do seu quadro psiquiátrico em uma unidade do SUS. A Semdes conseguiu localizar um familiar na cidade de Botucatu, onde hoje, está aos cuidados do irmão”.
 
 
 
SERVIÇOS – O CnaR desenvolve ações e eventos diversificados, como orientações sobre planejamento familiar, que inclui o aconselhamento do uso de anticoncepcional; vacinações contra Hepatite, Tríplice Viral e dupla adulto e contra a gripe.