Consumo de energia elétrica aumenta 0,3% em setembro

Consumo de energia elétrica aumenta 0,3% em setembro
Fonte: Agência Brasil

O consumo de eletricidade do Sistema Interligado Nacional (SIN) registrou crescimento de 0,3% em setembro deste ano na relação com setembro de 2017, totalizando 39.080 gigawatts/hora (Gwh).

Os dados integram a Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrico divulgada hoje (31), no Rio de Janeiro, pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

fábrica, indústria, sede da Suzano Celulose

Consumo de energia nas indústrias aumentou 1,2% em setembro e caiu 1,2% no comércio e 0,8% nas residências  (Arquivo/Amanda Oliveira/GovBA)

Eles indicam que a alta foi puxada pelo setor industrial, onde o consumo avançou 1,2% em setembro, uma vez que a demanda das classes comercial e residencial fechou em queda de -1,2% e -0,8%.

Regionalmente, o maior uso de energia foi puxado em setembro pelo Nordeste, com expansão de 2,9% e pelo Sudeste: 1,5%. Nas demais regiões houve retração.

A maior queda na demanda por energia ocorreu na Região Norte (10%), seguida do Centro-Oeste (2%) e Região Sul (0,3%).

Os dados da EPE, responsável pelo planejamento energético do país, indicam, ainda, que o mercado cativo das distribuidoras teve retração de 2,1% em setembro e de -1,6% no acumulado dos últimos 12 meses. Já o consumo livre aumentou 5,2% no mês e 8,6% em 12 meses.

Consumo Industrial

O avanço de 1,2% no consumo industrial em setembro, comparativamente a setembro de 2017, o equivalente a uma demanda de 14.419 Gwh, reflete o aumento no consumo em 6 dos 10 ramos da indústria que mais usaram eletricidade: extrativo de minerais metálicos, com crescimento de 12,1%; químico (9,5%); e automotivo (3,8%).

Entre as regiões, destaque para o Sudeste com expansão de 4,2%. Já a classe comercial anotou queda de 1,2%, reflexo das temperaturas mais amenas em quatro regiões do país.

Segundo a EPE, as condições climáticas beneficiaram apenas o Nordeste, onde o crescimento do consumo foi de 3%.

Já na classe residencial, o consumo mais baixo no mês, -0,8%, foi impactado pelo clima ameno, com o crescimento de 2% no Nordeste e de 1,5% no Sul compensando em parte a queda no consumo no restante do país.

O consumo mensal das residências atingiu 11.007 GWh. O crescimento do consumo residencial no Nordeste e no Sul, no entanto, não foi bastante para contrabalançar o recuo nas outras regiões, cujas quedas mais acentuadas foram nas regiões Norte (-7,0%) e Centro-Oeste (-5,7%) por influência do clima.

A avaliação da EPE é que, “do ponto de vista econômico, apesar dos bons resultados da contratação formal nos últimos meses, a perspectiva de que a lenta recuperação que se observa no mercado de trabalho, caracterizada pela estagnação da massa de rendimentos, persista nos próximos meses parece e justifica a cautela das famílias ao consumir”.

Segundo o órgão, “esse aspecto tem tido um peso importante, não obstante o crédito e o orçamento doméstico estarem em condições melhores do que no ano passado, o que também influência a decisão de consumo.”

Consumo de energia elétrica aumenta 0,3% em setembro