Contador dá dicas sobre a declaração do imposto de renda

A disponibilizarão, pela Receita Federal, do programa para a elaboração e transmissão da declaração abre amanhã o calendário do IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física) 2018. O software pode ser baixado no site do órgão federal ou, para quem optar por fazer o procedimento por meio de um smartphone, nas lojas de aplicativos. A entrega do documento começa no dia 1º e deverá ser feita até o dia 30 de abril. O contador Danilo Vendemiatti, vice-presidente do Sindicato dos Contabilistas de Piracicaba e Região, recebeu o JP para uma entrevista e dá uma série de dicas para quem deve acertar as contas com o leão. 
 
A principal delas, segundo o profissional, é ter toda a documentação à mão e mantê-la bem guardada até o processamento da declaração. “Tudo o que for lançado na declaração precisa de documento comprobatório. Então, guarde o informe de rendimentos do trabalho e bancário, notas fiscais de serviços médicos e recibos de escola e ou pensão alimentícia”, explicou.
 
Este ano, devem prestar informações à receita pessoas físicas que receberam, ao longo de 2017, rendimentos mínimos de R$ 28.559,70. Vendemiatti explica, no entanto, que o valor não é absoluto. “Suponhamos que você tenha trabalho em uma empresa por seis meses e, em apenas um, houve retenção de Imposto de Renda. Essa pessoa está obrigada a declarar”, ressaltou.
 
Outra dia importante é fazer a declaração sem pressa e, de preferência, no início do prazo. “É importante fazer isso nas primeiras semanas por dois motivos. O primeiro é evitar a sobrecarga no sistema da Receita que pode ocorrer na fase final, levando a erros e até a interrupção das transmissões. O outro é que, se o contribuinte tiver imposto a restituir, receberá nos primeiros lotes”, completou. 
 
Segundo Vendemiatti, o período de entrega das declarações é a temporada de maior volume de trabalho nos escritórios de contabilidade. “Aqui, por exemplo, nós trabalhamos em março e abril o que deveríamos trabalhar o ano inteiro. Mas, nas duas semanas finais do prazo, nós não pegamos mais nenhum cliente”, concluiu. 
 
A Receita Federal espera receber 28,8 milhões de declarações este ano. As restituições serão pagas entre junho e dezembro. A multa para quem não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74.