Coplacana celebra 70 anos e mostra a força do agronegócio

coplacana O presidente da Coplacana,Arnaldo Antonio Bortoletto,destacou novo ciclo de gestão e crescimento da cooperativa. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Da união de 70 produtores rurais, nasceram as bases da primeira cooperativa do setor canavieiro no Estado de São Paulo. Fundada em Piracicaba, em 10 de outubro de 1948, a Coplacana (Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo) celebra hoje, sete décadas de atuação no setor em posição de destaque: é a maior cooperativa na cultura da cana-de-açúcar no Brasil e no mundo.

Seus números também são expressivos. Do início pequeno, com uma unidade e menos de cem integrantes, hoje abarca nada menos que 11 mil associados e 23 filiais, além de outras áreas como Unidade de Grãos, boitel, fábrica de rações, loja para cooperados e um hub de inovação recentemente inaugurado. Seu faturamento deve chegar à casa de R$ 1,3 bilhão em 2018, além de ter uma representatividade de centenas de milhares de hectares de cana plantada por seus associados.

‘A cooperativa começou com um ’pool’ de produtores que se uniram para a compra de fertilizantes. De lá para cá, cresceu expressivamente e abriu seu estatuto, sendo que hoje qualquer produtor rural pode ser um associado‘, explicou Arnaldo Antonio Bortoletto, presidente da Coplacana.

A abertura do estatuto, ocorrida na década de 1990, foi um dos marcos da cooperativa, que na mesma época também deixou de ter atuação restrita a São Paulo, passando a alcançar estados como Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás. Hoje, em seu quadro de associados predominam plantadores de cana, mas há também produtores de soja, milho, pecuaristas e produtores de outras culturas.
Bortoletto reforça que a cooperativa, desde o início, sempre esteve focada em oferecer o melhor para seu associado e uma de suas mais fortes marcas é a proatividade e engajamento no cenário político e econômico do setor. ‘A cooperativa sempre luta por melhores condições para o associado, está atenta e ativa em defesa do produtor. Essa força de reivindicação sempre foi muito forte e apartidária. A Coplacana congrega os anseios do produtor‘, afirmou Bortoletto.

O vice-presidente da cooperativa, José Coral, ressalta o perfil jovem da Coplacana, que está atenta às necessidades do seu cooperados e que desenvolve um trabalho de grande importância para produtores de todo o país. ‘É uma cooperativa com espírito jovem e muito à frente de seu tempo, que trabalha muito pelo benefício do agricultor. Temos investido em novidades tecnológicas e, neste sentido, será oferecido cada vez mais serviços aos cooperados‘, disse.

Gestão profissionalizada
A Coplacana chega aos 70 anos atenta às mudanças de mercado e se prepara para novos ciclos de gestão interna. Desde o início do ano, a cooperativa passa por um processo de governança corporativa, com contratação de dois diretores, em um novo modelo de gestão que tem se desenhado.
‘Foi aprovado em Conselho no ano passado e ratificado em assembleia neste ano, o processo de governança corporativa, iniciando um novo ciclo de trabalho dentro da Coplacana, com uma gestão mais profissionalizada. Essa é uma tendência mundial e que propiciará à cooperativa muitos mais anos de atuação‘, disse Bortoletto.
Neste processo, os diretores contratados passam a assumir funções mais burocráticas e administrativas, ao passo que a diretoria eleita tem condições de se envolver em decisões estratégicas para a continuidade e viabilidade dos trabalhos da cooperativa. ‘Temos um plano estratégico que envolve inovação, tecnologia, gestão, eficiência e operação para que a cooperativa possa permanecer representativa por mais 70 anos‘, ressaltou o presidente.

Novas necessidades no campo
O trabalho de atualização não tem sido apenas interno, pelo contrário. As mudanças no cenário econômico e tecnológico vêm sendo acompanhadas pela cooperativa, que recentemente inaugurou um espaço para startups que podem trazer avanços e contribuições ‘dentro e fora da porteira‘ – o hub Avance. O aporte foi de R$ 1,5 milhão.

‘Foram muitas as mudanças que aconteceram nesses últimos anos e a cooperativa está atenta a tudo isso. Nos preocupamos com o modelo de gestão que será adotado pelos jovens que assumirão as fazendas futuramente, e estamos acompanhando para entender e oferecer tudo o que eles precisam. O desafio é acompanhar essa juventude, identificar suas necessidades e bem serví-la. O trabalho da cooperativa é planejar, se renovar e executar‘, destacou o presidente.

Bortoletto apontou que, para toda a diretoria e corpo de funcionários da cooperativa, é uma satisfação e gratificação trabalhar e ajudar no crescimento do produtor rural. ‘Temos uma diretoria atuante e um corpo de colaboradores com um único intuito: o do bem-comum. A Coplacana se mantém em busca de inovação e solução para os cooperados para que ele tenha uma atividade mais rentável e economicamente viável para permanecer no campo‘, concluiu.

( Danielle Gaioto)