Coral do Projeto Guri de Piracicaba é destaque no Festival Cantoritiba

grupo Grupo da cidade mesclou vozes jovenis, masculinas e femininas, conquistando o segundo lugar. ( Foto: Divulgação)

O Grupo de Referência de Piracicaba (GR), do Projeto Guri, conquistou o segundo lugar no Festival Cantoritiba 2018, realizado no dia 3 de novembro, em Curitiba. Com vozes juvenis masculinas e femininas, o grupo investe na formação e desenvolvimento de repertório diversificado, a partir de propostas de coro cênico, que inclui elementos de dança e teatro.

De acordo com o Coordenador do Projeto Guri – Polo Piracicaba, Pablo Carajol Delvage e da educadora Vanessa Zambão, participar do Cantoritiba foi uma experiência enriquecedora. “Para além da premiação, o mais importante foi a oportunidade de participação e amadurecimento que o Coro teve no percurso e na preparação para o festival. O frio na barriga, as lágrimas, mas ao entrar no palco todos sabiam o porquê estavam ali: para levar a nossa música, essência, verdade e contagiar o público com alegria e amor pelo cantar”, ressaltou Vanessa.

Para Delvage, a participação foi um desafio pessoal e coletivo que contribuiu para o desenvolvimento técnico e artístico do grupo. “Além da experiência no palco, assistir outros coros e interagir com eles, nos permitiu conhecer novas possibilidades culturais, estilos e gêneros”, explicou.

A aluna GR, Aline Raquel da Costa, que também atua como educadora musical em escola particular, disse que o resultado foi acima do esperado. “Imaginamos participar de um festival, apresentar nosso trabalho e conhecer o trabalho de outros. Quando nos apresentamos no hostel, que foi um dos palcos do festival, conhecemos pessoas incríveis, pessoas que trocaram experiência de vida conosco. Foi surpreendente”, salientou.

José David Lorena das Neves, integrante do Coro do Grupo de Referência de Piracicaba comenta que o Cantoritiba foi uma das melhores experiências musicais que ele teve a oportunidade de participar. “Pudemos compartilhar e vivenciar música em todos os momentos. Foi incrível poder ver corais com outros estilos, com outras formas de se expressar. Tivemos um workshop muito divertido com o mestre Keith Mccucthen, tecnicamente falando”, detalhou. David acrescenta que será eternamente grato a todos os coralistas, a professora e maestrina Vanessa, ao coordenador Pablo e ao auxiliar do polo, Arthur, que junto à comissão de famílias conseguiram tornar possível “uma viagem mágica como esta”.

(Raquel Soares)