Correios têm déficit de 50 funcionários, diz sindicato

Cansados dos problemas internos e desanimados para trabalhar, os carteiros cobram contratações e capacitação aos trabalhadores dos Correios em Piracicaba e Região. Levantamento recente feito pelo Sindicato dos Trabalhadores em Correios de Campinas e Região apontou que Piracicaba tem um déficit de, pelo menos, 50 funcionários, e isso vem acarretando sobrecarga no trabalho, demora nas entregas e estafa dos empregados.
 
De acordo com o diretor do sindicato em Piracicaba, Emerson Vieira, o problema não está só nisso. “Nesta semana, já aderimos por 24 horas ao movimento grevista nacional, que é contra as alterações no plano de saúde do Correios e que está sendo discutido na Justiça. Mas além disso, já tivemos a suspensão das férias e com falta de mão de obra. Tudo isso é falta de gestão e de valorização ao trabalhador”, alegou Vieira. 
 
Segundo o sindicalista, desde 2011 não é realizado concurso para contratação de funcionários. “Nós sabemos que houve uma redução no envio de cartas manuscritas, no entanto, cresceu muito mais o número de correspondências comerciais e entregas especiais, ou seja, no trabalho precisou ser mais minucioso e rápido. Por isso, a necessidade de, pelo menos, 50 novos carteiros na cidade”, contou Vieira.
 
Outro ponto que pode “disparar uma greve sem precedentes”, segundo Vieira, é a falta de capacitação. “O serviço nosso está todo modernizado, está uma beleza, mas não há uma capacitação para que os carteiros façam o bom uso dessa tecnologia. Isso leva aos problemas que estamos enfrentando, principalmente, pelo atraso nas entregas. Além disso, hoje o carteiro tem medo de sair nas ruas, pois pode ser roubado ou até mesmo agredido”, afirmou o dirigente.
 
Em nota, a assessoria de imprensa dos Correios informou que “o efetivo em Piracicaba está ajustado à demanda” e que, para adequação da força de trabalho, é realizado o redimensionamento do efetivo, “considerando a queda dos serviços de mensagens e crescimento de encomendas, com ações para ajuste de unidades com efetivo superavitário e deficitário bem como a a introdução de novas tecnologias e a automação dos fluxos operacionais”.Alega que os empregados recebem suporte e capacitação, “inclusive para lidarem com novas tecnologias que estejam sendo implantadas, como o SRO Móveis, plataforma que informa ao cliente, em tempo real, o horário da entrega, para quem foi entregue, etc”.