Creche no Cantagalo é invadida duas vezes em menos de 24h

escola Alunos colocaram cartazes em frente à creche: protesto contra os furtos. (Foto: Claudinho Coradini / JP)

A creche Professora Ruth Vilaça Correia Leite Cardoso, localizada no Cantagalo, foi invadida duas vezes em menos de 24 horas, segundo moradores da região. A auxiliar de limpeza Alessandra Souza, 28, que tem uma filha de quatro anos e uma sobrinha matriculada na unidade disse que furtos se tornaram frequentes desde que a prefeitura retirou o serviço de vigia na unidade. De acordo com ela, dessa vez, foi levado todo o alimento do berçário.

Ontem, os alunos fizeram cartazes e colocaram na frente da escola. Os pedidos eram para que deixassem de invadir a creche, de levar brinquedos ou mantimentos. “Essa não é a primeira vez que furtam a unidade. Antes das férias, levaram botijões de gás e vários brinquedos. Dessa vez eles levaram todo o estoque de mantimento do berçário”, disse Alessandra.

De acordo com ela, as invasões acontecem sempre de madrugada. “Já encontraram até pinos de cocaína e sangue perto das mamadeiras. Teve uma vez que a diretora registrou três boletins de ocorrência no prazo de 72h e dessa vez foram dois boletins, em 24h. Isso é muito triste, pois dependemos da creche para podermos trabalhar‘, salientou ao dizer ainda que a cada invasão a unidade fica sem aula.

A creche foi inaugurada no ano letivo de 2009, segundo site oficial da prefeitura, e atende 154 crianças de berçário, maternal e jardim. A unidade oferece sete salas de aula, lactário, refeitório, cozinha, sala multiuso e sanitários masculino e feminino, numa área de 926 m2.

A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação informou que a prefeitura investe na construção e qualificação dos profissionais da rede, mas que a comunidade também tem o papel de auxiliar, observar e denunciar à polícia qualquer atitude suspeita. A nota informa ainda que cada vez que vândalos invadem uma escola, eles prejudicam não só a unidade e seu corpo de funcionários e educadores, mas, principalmente, as crianças atendidas e seus familiares.

(Fernanda Moraes)