,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Inadimplência do consumidor cresce 5,8%
  • Roubos e furtos caem no primeiro semestre do ano
  • Umidade do ar cai e deixa cidade em estado de atenção

Samba é tema de mostra de ilustrações contemporâneas
Thainara Cabral
12/07/2017 11h00
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Aarte como ferramenta para poetizar discussões políticas e sociais. É desta maneira que o artista plástico Diógenes Moura criou as obras que compõem a mostra Samba Pede Passagem, instalada no bar Rota 19, localizado na Rua do Porto.

A série, que representa musas sambando, traz à tona as questões que o ritmo representa no país e ainda guarda lembranças pessoais do artista piracicabano. A visitação à exposição vai até 25 de agosto, com entrada gratuita.

Samba Pede Passagem é fruto da primeira exposição individual de Diógenes Moura, a Pisco-Alienação, que está em cartaz na Escola Bauhaus até esta sexta-feira. A mostra de ilustrações contemporâneas já adiantou a série voltada ao samba e Moura se estendeu no tema criando obras inéditas exclusivamente para a exposição. Segundo ele, um dos motivos para o estilo musical ser escolhido como inspiração foi as lembranças da infância.

22.jpg

Artista Diógenes Moura criou musas sambando. (Foto: M.Germano/JP)

“O samba sempre esteve presente em casa, desde criança, por conta dos meus pais”, contou, acrescentando que o tema tem uma ligação muito forte com o Rota 19, já que o dono do bar é filho da cantora piracicabana Isaíra Aparecida Barboza, mais conhecida como Zazá, falecida em 2007.

“A Rua do Porto já me lembra muito o samba, e ainda tem a questão da Zazá, que é a voz do samba em Piracicaba”, comentou Moura.

Como na maioria de seus trabalhos, neste, a presença feminina também é forte. As cinco obras que compõem a mostra retratam mulheres e sambistas dançando, o que remete, além dos gestos emblemáticos do ritmo, às mensagens críticas do artista por meio da reflexão do papel e posto da mulher negra na sociedade brasileira.

“Nessa série, trago o fundo político do grito da mulher negra, pois ela é a figura que representa o samba, esta linguagem marginal, e é difundida pela elite de forma extensa”, contou Moura.

Ao fundo das mulheres sambando, Moura desenhou favelas, a partir da referência de um texto que retrata a visão de uma mulher negra e outra branca diante de uma piscina. “A mulher branca enxerga a piscina como um luxo e a negra como um poço de água”, comentou.

A história é o pano de fundo do artista para tratar sobre a desigualdade e as questões raciais. “A dança tem um cunho importante de invocar e trazer à tona temas através dos gestos. Ela é agressiva, política e poética”, apontou.

SERVIÇO — Exposição de ilustrações contemporâneas Samba Pede Passagem, de Diógenes Moura. Até dia 25 de agosto, no bar Rota 19 (Rua do Porto, 1933). Visitações: segunda e terça, das 18h a 0h; quinta-feira, das 11h às 2h; sexta-feira e sábado, das 17h às 2h, e domingo, das 11h às 17h. Gratuito. Informações: (19) 3422-4274.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar