,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Malinois Aruk se aposenta após 8 anos dedicados à Polícia Militar
  • Presídios fazem campanha contra tuberculose
  • Preços dos combustíveis estabilizam

Piracicaba pode ganhar museu de tecnologia de informação e comunicação
Natália Marim
08/02/2018 12h03
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Piracicaba pode ganhar museu de tecnologia de informação e comunicação. Foi isso o que disse o presidente da Atepi (Associação das Empresas de Tecnologia de Piracicaba e Região), Vitor Pires Vencovsky, em entrevista exclusiva ao Jornal de Piracicaba. Ele comentou que, atualmente, a entidade busca parcerias para obter recursos a serem empregados na construção do espaço histórico e cultural, que ainda não tem data definida para início das obras. O local, que abrigará acervo de peças tecnológicas em desuso, poderá receber visitas do público em geral e, também, de grupos de instituições de ensino.
 
 
Com equipamentos de informática, comunicação e transmissão de som e imagem, a exposição Tecnologia Através do Tempo. Evolução e Convergência das Tecnologias de Informação e Comunicação, que atualmente está no Shopping Piracicaba, é, conforme Vencovsky, o primeiro passo para a criação do TIC (Museu de Tecnologia de Informação e Comunicação).
 
 
Vitor Pires Vencovsky, que ocupa o cargo de vice-presidente do IHGP (Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba), falou que o projeto do museu começou a ser pensado pela associação no ano em que ela foi criada, em 2016, por iniciativa de um grupo de empresários que, de acordo com o presidente, entendem a importância do trabalho associativo para o aprimoramento dos negócios, ajudando no desenvolvimento técnico e gerencial das empresas associadas, na organização do setor de tecnologia de informação e no aprimoramento da capacidade técnica dos profissionais envolvidos nesse setor.
 
 
“A associação foi criada, planejada e, dentro desse plano, nós definimos como algo importante a criação do museu. Isso faz parte de um projeto amplo da associação, pois a tecnologia de informação não são só os equipamentos, temos de ver o contexto da cidade, o capital humano”, explicou Vencovsky. A partir dessa ideia, então, a Atepi promoveu atividades como três eventos do projeto Recitrônico, de reciclagem de eletrônicos, organizado pelos Rotary Clubes de Piracicaba. Parte dos materiais doados pela população na ocasião dos eventos foi selecionada para a exposição itinerante Tecnologia através do Tempo. O Recitrônico, de acordo com o presidente, deu ampla visão aos participantes da Atepi quanto à quantidade de equipamentos que hoje não são utilizados mais porque foram substituídos pelas “nuvens” dos smartphones.
 
 
“Museu é uma maneira de trabalhar com os jovens, na parte educacional, podendo auxiliar muito nesse processo. Hoje, por exemplo, a tecnologia da informação é tão importante na vida das pessoas que não vivemos mais sem o celular. É interessante ter um museu que tratasse desse assunto”, disse Vencovsky, acrescentando que a cidade sempre teve destaque no Brasil na parte tecnológica, em áreas como na metal mecânica, indústria, agricultura e educação.
 
 
O museu teria no acervo itens de informática, como computadores, servidores e impressoras; de comunicação, como aparelhos telefônicos; transmissão de som, como o rádio; e imagem, como televisões, projetores de filmes e slides; além de filmadoras, calculadoras e fotografias. “A nossa ideia não é só expor as peças, mas mostrar para o público que as diversas tecnologias estão todas convergindo para um lugar único, a nuvem, o smarthphone. Esse é um dos objetivos do museu, mostrar a evolução da tecnologia que hoje é integrada, pois, através do celular, temos acesso a diversos serviços. A televisão, por exemplo, ficou 80 anos naquele quadrado, que é um monitor em formato de caixote, e migrou para o equipamento móvel. De qualquer lugar, conseguimos assistir programas pelo celular, que acabou tendo a função de televisão, rádio, máquina de escrever, telefonia, envio de documentos”, falou o presidente da Atepi.
 
 
No museu, a intenção, segundo Vencovsky, é transmitir conteúdos educativos aos visitantes, mostrando que serviços que ficaram 100 anos sem modificações viraram o século 21 transformando-se em um papel integrador de todas as tecnologias. Interessados em colaborar com a criação do espaço podem entrar em contato com a Atepi pelo e-mail atepi@atepi.com.br.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar