,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Construção abandonada gera transtornos e moradores reclamam
  • Vendas no comércio crescem 3,6% no Dia dos Namorados
  • Rapaz é detido por populares após roubar celular de jovem

Pinacoteca receberá 100 obras da Câmara
Da redação
13/03/2018 17h37
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
As 100 obras do acervo artístico e permanente da Câmara de Vereadores ficarão sob a guarda da Pinacoteca Municipal Miguel Dutra. Na próxima semana, a equipe do Departamento de Documentação e Arquivo do legislativo inicia o recolhimento das pinturas e esculturas nos departamentos e gabinetes dos vereadores, para depois enviá-las à casa cultural, que será a responsável, ainda, pelo restauro de 40 peças, entre pinturas, esculturas e caricaturas.
 
 
Os trabalhos artísticos que estão na Câmara nunca passaram por análise técnica quanto à necessidade de reparo, o que foi feito durante dois meses pela equipe do Departamento, que trabalhou, também, no inventário e catalogação. Foi durante esse processo que aconteceu o diagnóstico das peças que necessitam de restauro, como troca de moldura, correção em perfurações e contenção de umidade, fungos e mofo.
 
 
Embora a Câmara possua uma sala climatizada para alojar as obras, a Pinacoteca é a única na cidade que tem uma reserva técnica para isso. As obras que não necessitam de manutenção serão acondicionadas nos trainéis da Pinacoteca. O trainel é um sistema modular deslizante voltado para obras de artes e que proporciona acomodação adequada para as mesmas.
 
 
Segundo o presidente da Câmara, vereador Matheus Erler (PTB), a decisão veio após a argumentação técnica apresentada a ele pelo diretor do Departamento de Documentação e Arquivo, o historiador Fábio Bragança. “Estamos preocupados com a preservação do patrimônio público, neste caso, também artístico e cultural, e a Pinacoteca tem toda a estrutura para armazenar as obras de maneira adequada”, falou Erler.
 
 
“É a melhor solução para a guarda das obras, da maneira técnica mais adequada. A Pinacoteca proporcionará isso ao nosso acervo. Que fique bem claro que a Câmara não está abrindo mão do seu acervo, apenas está olhando para ele com zelo”, destacou Bragança.
 
 
O acervo artístico da Câmara começou a ser formado em 1977, após a aprovação da lei 2.261/1976, que criou os prêmios aquisitivos Câmara Municipal para o SBA (Salão de Belas Artes) e o SAC (Salão de Arte Contemporânea). Quase três décadas mais tarde, foi aprovada a lei 5.427/2004, do prêmio aquisição do Salão Internacional de Humor de Piracicaba, na categoria caricatura.
 
 
Inicialmente, a Casa de Leis recebia, em média, duas obras por ano, mas, com o tempo, os critérios foram mudando e, há casos, por exemplo, em que o júri das mostras decidiu contemplar, no mesmo ano, três obras para o prêmio aquisitivo, o que aumentou, consequentemente, o volume das peças a serem armazenadas nas dependências da Casa de Leis.
 
 
As obras, no decorrer dos anos, passaram a ocupar as paredes dos corredores da Câmara, gabinetes dos vereadores e departamentos, porém, conforme Bragança, “a Casa, na atual estrutura, não comporta mais um volume tão extenso de obras”.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar