Déficit de policiais no Deinter-9 é o pior do Estado, segundo Sindpesp

Presidente do Sindpesp, Raquel Gallinati diz que situação é crítica. (Claudinho Coradini/JP)

O déficit do efetivo da Polícia Civil é de 45% do efetivo na região atendida pelo Deinter-9 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior) de Piracicaba, que atende 52 municípios. A afirmação é da presidente do Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo), Raquel Kobashi Gallinati, em visita à Piracicaba.

De acordo com o sindicato, foram constatados a falta de pelo menos 853 policiais civis de todas as carreiras da corporação.

Raquel enfatizou que a situação na região é crítica, pois precisaria ter 1.897 profissionais para prestar um serviço adequado à população e oferecer boas condições de trabalho.

“Não é possível que o delegado assuma o trabalho de quatro ou cinco profissionais. Contraria inclusive, as normas da OIT (Organização Internacional de Trabalho, que cita, que o profissional precisa ter um intervalo de descanso entre uma jornada e outra, mas nem sempre acontece”, disse Raquel.

Em maio de 2019, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) visitou as delegacias da região, e encontrou algumas falhas estruturais como infiltrações, no prédio do 1º Distrito Policial de Piracicaba – onde também funciona os plantões noturnos, finais de semana e feriados.

Um delegado da região do Deinter-9 aposentou-se após 28 anos dedicados à carreira. “Quando a gente responde por vários distritos policiais há um acúmulo de função e de trabalho. Quem exerce o trabalho-fim da Polícia Civil como expedientes em delegacias está se aposentado por ter que escolher entre a sua saúde e o seu trabalho. Sem contar a insegurança com a Reforma da Previdência, pois quem pode está se aposentado, porque não aguentará trabalhar mais quatro ou cinco anos se a reforma for aprovada”, disse o delegado que não quis ser identificado.

OUTRO LADO

A SSP (Secretaria de Estado de Segurança Pública), informou em nota que, a atual gestão investe continuamente em efetivo, tecnologia e aperfeiçoamento do trabalho policial. Estão em andamento concursos para contratação de 2.750 policiais civis, e um novo certame para outras 2.750 vagas já foi autorizado para o próximo ano. A pasta também investirá mais de R$ 57 milhões no plano de modernização da Polícia Civil, que serão destinados à compra de 8.293 coletes balísticos e 200 viaturas ainda este ano, além de investimentos aplicados à inteligência policial.

Cristiani Azanha

[email protected]

Letícia Azevedo

[email protected]