Degradação do Parque do Mirante ocorre de dia

Lâmpadas e câmeras de segurança foram destruídas em atos de vandalismo. (foto: Claudinho Coradini/JP)

A situação de abandono na qual se encontra o Parque do Mirante, um dos principais pontos turísticos de Piracicaba, tem deixado vizinhos preocupados com a insegurança no entorno da área. A preocupação aumentou depois que uma guarita da Guarda Civil foi desativada há alguns dias.

Dentro do parque, o cenário é desolador. Buracos na pista de caminhada, falhas no piso, lixo em meio à vegetação. As lâmpadas e câmeras de segurança destruídas por vândalos são um alerta a quem se dispõe a caminhar sozinho pelo local. Há 15 dias, o corpo de um homem foi encontrado sob a Ponte do Mirante, no mesmo complexo do parque.

Um rapaz que usa o parque como trajeto e que pediu para não ser identificado contou que o local tem servido de ponto para usuários de drogas e encontros sexuais, inclusive durante o dia. Ele contou que, por precaução tem evitado passar pelo local e, quando o faz, prefere estar acompanhado. “A situação aqui está caótica, o local era um ponto de turismo, hoje mais parece uma biqueira”, lamentou. A Prefeitura de Piracicaba foi questionada sobre a segurança a manutenção do parque. Em nota a Sedema (Secretaria de Defesa do Meio Ambiente) informou que os parques de passam por constante vistoria pela equipe de encarregados, como é o caso do Parque do Mirante.

“Em função da diminuição da arrecadação, houve uma adequação do serviço geral de manutenção dos parques, mas nem por isso deixam de acontecer de forma sistemática.

O local é vistoriado com frequência pelo encarregado que faz um levantamento de obras necessárias, prioritárias e urgentes e encaminhadas ao setor para reparos e consertos. O local conta ainda com o serviço de varrição diária dos passeios”, informou em nota. Com relação a segurança, a prefeitura informou que a iluminação também recebe manutenção constante, feita por equipe da Semob (Secretaria Municipal de Obras). “O patrulhamento do Parque do Mirante é feito por GCs 24 horas por dia e também é realizado o monitoramento com 17 câmeras, monitoradas 24 horas pelos guardas da Cemel (Central de Monitoramento), que não registrou nenhuma reclamação sobre as câmeras. A Sedema informou que registra um grande número de ocorrências de vandalismo e destruição de bem público.

 

Beto Silva
[email protected]