Delegado orienta sobre cuidados para evitar roubos e furtos

Delegado Fábio de Toledo enfatiza que é preciso compor uma cultura de prevenção. (Claudinho Coradini/JP)

Alguns cuidados extras podem fazer a diferença para quem não quer fazer parte das estatísticas criminais relacionadas a furtos e roubos. Piracicaba registrou a média de 11,3 casos de furtos ou roubos (outros) registrados na cidade, por dia, segundo as estatísticas da SSP (Secretaria de Estado de Segurança Pública), nos quatro primeiros meses de 2019. Nessa conta, entram ações desde o furto até roubos a residências, ou empresas. A Pasta também constatou que os roubos de veículos caiu 42%, no período. Apesar de apresentar queda e um ano para outro, ninguém quer fazer parte dessa estatística.

O delegado do 5o Distrito Policial, Fábio Rizzo de Toledo destacou algumas dicas de segurança, para dificultar a ação de criminosos. “Sabe-se que é quase impossível, tomar todos os cuidados, mas alguns deles quando lembrados poderá te salvar”, afirmou Toledo.

Uma das dicas, segundo o delegado, é tomar cuidado na hora de estacionar seu veículo. O ideal é que o motorista escolha um lugar movimentado e iluminado. Usar sistema de alarme, chave geral e correntes na direção. Outra sugestão é ao estacionar ou parar em cruzamentos, principalmente a noite, observe pessoas suspeitas nas proximidades. Som, rodas e certos acessórios despertam a atenção de marginais. Evite deixar objetos de valor no interior de seu carro. Em caso de assalto, jamais reaja. Se possível, tente observar discretamente alguma característica física, cicatriz, ou tatuagem. Assim que o criminoso fugir, avise a polícia.

Outros cuidados importantes precisam ser tomados nas épocas de pagamento. Jamais comentar sobre seu salário com pessoas de pouco convívio, evite a conversa com pessoas estranhas dentro ou fora do banco e observe se alguém está seguindo-o. Caso perceba essa situação, avise a polícia.
“As dicas que podem ser encontradas nas cartilhas de segurança, reduzem bastante a probabilidade de que aconteçam crimes. No entanto, é importante lembrar que elas não devem ser únicas, mas devem compor uma cultura de prevenção. A partir do momento em que toda a comunidade participa na solução dos problemas de segurança, as ações da polícia passam a ser complementares e não exclusivas para ter a paz e a tranquilidade que todos queremos”, comentou o delegado.

Cristiani Azanha