Depredação x Falta de educação

O fato é que esses vândalos que destruíram o patrimônio público carecem de educação. Espera-se que não precisem da creche para seus filhos.

Infelizmente, no Brasil, a população ainda não se conscientizou que atos de vandalismo praticados contra prédios públicos são prejudiciais à sociedade. A Creche Anna Maria Fontabelli Avanzi, no Jardim Gilda, foi alvo de vândalos ontem. As 196 crianças de 0 a 5 e seus pais foram duplamente prejudicados, porque as aulas foram suspensas e os pais tiveram dificuldades em ir trabalhar. Esta foi a terceira vez neste ano que a unidade escolar foi depredada.

Reportagem assinada por Fernanda Moraes e Felipe Poleti, nesta edição, mostra que os vândalos quebraram o vidro de uma porta e danificaram a fechadura para entrar na escola. Além disso, danificaram parte da instalação elétrica; cinco colchonetes e trabalhos da exposição das crianças e acionaram os extintores de incêndio – o pó químico ficou espalhado em grande parte da escola.
É difícil analisar a motivação para tais atos criminosos. Imagina-se que os vândalos queiram protestar sobre o dito “sistema”, sem ao menos perceberem que fazem parte dele. Ou seja por maldade, mesmo. Seria falta de educação? Seria falta de consciência cívica? Difícil dizer. Será que fugiram da escola e teriam de voltar aos bancos escolares para aprenderem a ter educação? São usuários de drogas alucinados?

O fato é que esses vândalos que destruíram o patrimônio público carecem de educação. Espera-se que não precisem da creche para seus filhos. E como combater isso, em uma cidade como Piracicaba, em que a rede de ensino é extensa e não é possível deixar uma viatura em casa escola? Uma das ideias seriam o videomonitoramento. Outra seria a zeladoria. Não tem outro jeito. Pode ser uma medida paliativa para evitar mais atrocidades como essas.

(Claudete Campos)