Desvendando a comunidade

Porjeto incetiva a cultura Piracicabana para alunos. Projeto financiado pelo FAC resgata conceito de identidade e foi realizado por estudantes de Piracicaba.

As escolas estaduais Jorge Coury, Adolpho Carvalho e Benedicto Evangelista da Costa foram escolhidas para realização do projeto “Desvendando a Comunidade por Nossas Mãos”, que durante as aulas eletivas do período integral, desenvolveu oficinas de vídeo e redes sociais, aos estudantes do ensino fundamental e médio.

A iniciativa financiada pelo FAC (Fundo de Apoio à Cultura) visa à produção e difusão da cultura em Piracicaba. O projeto audiovisual com autoria do produtor Maycon Barbon é um dos aprovados pela Comissão de Seleção, do ComCult (Conselho Municipal de Política Cultural).

As ações seguiram a dinâmica de oferecer aos alunos, orientações sobre o uso de celulares, câmeras, redes sociais e informações para a gravação de vídeos sobre a comunidade ao seu entorno, suas características, formação e moradores.

Cada escola é formada pela cultura local. Observamos durante todo o trabalho que em cada unidade de ensino, há uma linguagem diferenciada”, comenta Maycon Barbon. Foram gravados com alunos, coordenadores, funcionários, diretores e professores das escolas, depoimentos que revelam o conceito de identidade de cada região.
Na escola Jorge Coury, após as oficinas, os estudantes realizaram como trabalho final, um jornal impresso e vídeo para a disciplina eletiva. O resultado foi surpreendente para um projeto desenvolvido em três meses.

Barbon explica que a função dos vídeos produzidos pelos alunos foi de mostrar a comunidade pelo olhar deles. “Em cada unidade de ensino buscamos desenvolver o trabalho de acordo com a cultura deles e descobrimos histórias incríveis, de vida, de luta e resiliência. Comunidades ainda em crescimento e formação de identidade, e comunidades já formadas”.

Os vídeos e as fotos das oficinas realizadas nas três escolas estão disponíveis na página do Facebook: Desvendando a comunidade  projeto.

A exposição já foi feita dentro das unidades de ensino, e por conta do sucesso o idealizador do projeto, Maycon Barbon, pretende expor os trabalhoss no início de 2019 em locais de acesso ao público como o teatro Erotides de Campos e o Terminal Central, onde há maior fluxo de pedestres para que a população tenha acesso ao projeto cultural.

Quem pode participar –
Os autores dos projetos, podem ser pessoas físicas ou jurídicas sem fins lucrativos, que atuam profissionalmente dentro da área artística do projeto e residentes em Piracicaba há, pelo menos, dois anos. As iniciativas devem ser inéditas.
Neste ano foram aprovados oito projetos culturais que contemplam as áreas de Artes Cênicas, Música, Arte Visual, Audiovisual, Livro/Literatura, Cultura Popular, Memória Cultural e Artes Integradas. Cada projeto recebeu R$ 25 mil.

(Da Redação)