DIG esclarece homicídio e apreende arma usada no crime

Delegada Juliana Ricci coordenou a investigação

Os policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) esclareceram o homicídio de Jonas Vilhalba, 34, na madrugada do último sábado (6). na região central. Um taxista de 50 anos teria matado a vítima com tiro na cabeça por causa de um desentendimento. O suspeito prestou depoimento na sede da delegacia especializada e além de confessar o crime, teria levado os investigadores até o local, onde teria escondido um revólver usado no assassinato.

A delegada Juliana Ricci, que coordena a apuração sobre o caso disse que o autor se apresentou espontaneamente. “Ele prestou declarações e deu a sua versão dos fatos”, afirmou a delegada.

A Polícia Civil também apurou que o taxista também teria assassinado seu genro, em dezembro de 2018, no bairro Morumbi. Ele também responde esse processo em liberdade.

INVESTIGAÇÃO

Com relação ao homicídio de Vilhalba, os policiais da DIG, com o apoio da Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) descobriram que dias antes do crime, a vítima havia se desentendido com um motorista de táxi.

Os policiais conseguiram localizar as imagens de câmeras de segurança, que teriam flagrado o momento do crime. Na tarde desta sexta-feira (12), o suspeito esteve na DIG e inicialmente admitiu o desentendimento, mas negou a autoria da morte. Após ser confrontado com as provas já obtidas, e acabou por admitir a autoria e levou os policiais ao local onde havia deixado o revólver calibre 38, que usou para matar a vítima.

Revólver teria sido usado em dois homicídios. (Divulgação/Polícia Civil)

A motivação do homicídio, segundo a Polícia Civil, é que a vítima teria danificado o carro do taxista. O autor teria procurado por Vilhalba, porque queria a reparação pelo prejuízo, mas o desentendimento terminou em morte.

O revólver, que pertenceria, ao taxista foi apreendido pela polícia e será encaminhado para a perícia no IC (Instituto de Criminalística. De acordo com a Polícia Civil, Vilhalba é recém-egresso do sistema prisional e nasceu no Mato Grosso do Sul.

Cristiani Azanha

[email protected]