Dimensões da Crise Atual

 

André de Paiva Salum

Observando a situação atual do mundo facilmente se percebe o quanto estamos imersos em uma crise complexa e abrangente. Nota-se, para onde quer que se olhe, a existência de conflitos, violência, corrupção, desrespeito, degradação. Parece que nada escapa à crise atual: economia, política, religião, estrutura familiar e social, relações internacionais, meio ambiente.
Nessa situação, o ser humano, em meio a formidáveis recursos tecnológicos, parece perdido de si mesmo, em constante busca não se sabe do quê, tentando (em vão) fugir da angústia e dos tormentos que, apesar dos seus esforços, o perseguem em todos os lugares.

A crise atual, segundo diversos ensinamentos espiritualistas, representa o fim de um ciclo planetário e o início de outro, mais harmonioso e pacífico. Vivemos essa transição, e, a fim de ingressarmos em nova fase da humanidade, faz-se imprescindível que nos despojemos de tudo o que seja desarmônico e prejudicial aos propósitos evolutivos. Preconceitos arraigados, apegos, condicionamentos e cristalizações mentais, violência, corrupção, dentre outros, são impedimentos a uma forma de vida equilibrada e saudável, individual e coletiva, que se impõe como urgente e indispensável à parcela da humanidade consciente da situação planetária e do papel que lhe cabe na transformação da realidade.

Segundo uma visão abrangente, que inclui a dimensão espiritual da vida e do ser humano, as crises externas são o reflexo e a expressão da realidade interna da humanidade, que tem vivido em desarmonia com as leis da natureza, gerando desequilíbrios crescentes e suas consequências destrutivas. Parece claro que nenhum progresso tecnológico será capaz de solucionar a situação planetária atual se não estiver submetido a um estado de consciência elevado, refletido em caráter íntegro e conduta correta.

Sob essa perspectiva, é necessário, sobretudo na época atual, estar muito firme nos propósitos espirituais, a fim de que se possa expressar padrões de conduta elevados, ao mesmo tempo se desvinculando, tanto quanto possível, dos conflitos cada vez mais presentes no mundo exterior.

Não se trata de convencionalismos ou dogmas religiosos, mas de um despertar de consciência para realidades até então ignoradas ou negligenciadas. Esse processo, quando inspirado pela sabedoria e amor, favorece uma conduta mais construtiva, cooperativa e fraterna, beneficiando verdadeiramente a sociedade de que se faz parte.

A busca de instruções espirituais seguras e confiáveis acerca dos acontecimentos atuais, suas causas, mecanismos e consequências, a preparação para se manter o equilíbrio e a paz interior nas mais diversas circunstâncias, a prontidão ao serviço altruísta e uma conduta correta nos parecem fundamentais para quem deseje colaborar com um mundo melhor, onde quer que se esteja, unindo-se, ainda que anonimamente, à imensa rede planetária de seres a serviço de uma nova realidade mundial, que vem sendo semeada e nutrida pelos colaboradores conscientes da sua função social e espiritual.