Diretoria faz balanço positivo após torneio

xv O presidente Celso Christofoletti deixará o cargo em novembro. ( Foto: Líder Esportes)

O clima no Barão da Serra Negra ainda é de tristeza pela eliminação na Copa Paulista. Como o XV de Piracicaba volta a atuar apenas em 2019, a Prefeitura de Piracicaba, por meio da Selam (Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras), fará o serviço de manutenção periódica do gramado do estádio municipal. O contrato assinado com a empresa Campanelli Gramados Esportivos terá duração de 12 meses e o investimento municipal é de R$ 204 mil. Desde a construção, em 1965, o estádio é de responsabilidade da prefeitura e tem administração conjunta com o XV. O contrato de concessão é válido até 2028.

No clube, o período é eleitoral. No dia 10 de novembro, haverá Assembleia Geral de Associados, na qual será renovado 50% do quadro de conselheiros efetivos (15), além da eleição de mais 20 suplentes. Três dias depois, ocorre a Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo eleito para a definição do presidente e do vice da diretoria executiva, que tomarão posse no ato, iniciando o mandato de dois anos. Após a eliminação em Taubaté, a diretoria fez um balanço da temporada, divulgado no site oficial do XV.

“É claro que todos os esforços foram feitos para que chegássemos o mais longe possível. Porém, é necessário olhar com a razão e levar vários aspectos em conta, como as dificuldades financeiras, por motivos que todos conhecem, para a montagem do elenco, que cresceu ao longo da competição e enfrentou de igual para igual equipes de Série A1 do Paulista e que contam com uma folha salarial muito maior do que a nossa. Infelizmente, em um grupo muito equilibrado, assim como o da primeira fase, faltou pouco para conseguimos avançar”, disse o presidente Celso Christofoletti.

“Acredito que temos bastante pontos positivos para serem levados em conta, como a afirmação de alguns atletas, caso do goleiro Leonardo, e mais uma ótima competição realizada pelo Fraga, ambos formados no clube; a volta do Cléber (Gaúcho, técnico), que mais uma vez fez um belo trabalho; e algumas contratações que corresponderam muito bem dentro de campo. Esse é o momento de nós nos reunirmos, para vermos onde erramos e acertamos, fazermos um balanço geral e definirmos o que é necessário ser realizado até as eleições, de forma que não prejudique o andamento do clube”, afirmou Ricardo Moura, vice-presidente e diretor de futebol, candidato da situação nas eleições de novembro.

“Encontramos um pouco de dificuldades no início, em relação à definição do plantel, por conta do pouco tempo disponível entre o acerto com a parceria e o início do torneio. Então, dentro do que foi traçado […] acredito que fomos bem. Houve um determinado número de atletas indicado pela parceira do clube e analisado por nós. Essas peças se juntaram aos nomes solicitados pelo XV e que tiveram suas contratações viabilizadas por parceiros. Com esse cenário, fizemos uma primeira fase de recuperação, que resultou em uma classificação com duas rodadas de antecedência na chave mais difícil. Na segunda fase, oscilamos um pouco e isso nos custou a vaga. No geral, o saldo é positivo”, completou o gestor Diego Cope.

( Líder Esportes)