Dise prende acusado de furtar mercadorias nos Correios

Os policiais civis da Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) descobriram um esquema de desvio de encomendas dos Correios. Um funcionário, que trabalhava em uma unidade franqueada do Jardim Petrópolis, foi detido pelos investigadores na manhã de ontem, no bairro Santo Antonio. Ele foi apontado como o responsável por separar as encomendas e depois entregá-las a um vizinho, que comercializava os produtos pela internet. Ambos prestaram depoimentos e foram liberados. O funcionário foi indiciado por furto qualificado e o outro por receptação.
 
A identificação dos acusados foi possível através de um dos anúncios que circulava na internet, de venda de um equipamento de informática raro, de apenas 25 unidades no país. A caixa exibida na foto foi reconhecida pela vítima, que tinha encaminhado a mercadoria pelos Correios.
 
“Quando chegamos na casa dele, ele já tinha separado mais três caixas de produtos que seriam entregues ao receptador. Ele fazia uma seleção baseada na sorte, balançava as caixas e arriscava levar aquelas que acreditava que teria algo mais valioso”, comentou um dos policiais.
 
A polícia encontrou pares de tênis de grife, perfumes importados, celulares, roupas de esporte, vídeogame, notebook, sandália, capacete, máquina de cartão de crédito, PS4, jaquetas de couro, aparelho de DVD, agenda, produtos profissionais para cabelo e agenda.
 
A Polícia Civil recomenda que as pessoas que tiveram as encomendas postadas pelos Correios e ainda não receberam (além do tempo previsto pela agência), que compareçam na Dise (rua Tiradentes, 938, Centro) para identificar as mercadorias apreendidas ou que entrem em contato no (19) 3421-6169.
 
Em nota, os Correios informaram que o caso ocorreu em uma agência franqueada — AGF — e que irão apurar no âmbito da unidade para garantir o cumprimento de todas as suas responsabilidades contratuais. “Os Correios reforçam que estão fornecendo todas as informações e materiais necessários para cooperar com as investigações. O empregado envolvido no fato possuí vínculo com a empresa que administra a AGF e, neste caso, todas as providências administrativas e trabalhistas são de responsabilidade da franqueada”, informou a assessoria dos Correios.