DNA é tema de desfile no Senac

Do clássico ao exagerado, as produções buscaram expressar histórias e a personalidade de cada aluno. (Fotos: Paloma Freitas)

Com o tema DNA, e baseados na frase de Nietzsche “Escreve com sangue e aprenderás que sangue é espírito”, os formandos do curso técnico de Produção de Moda do Senac Piracicaba preparam, no último dia 5, um desfile especial para o encerramento deste ciclo. O evento reuniu os trabalhos de sete alunos (Claudia Mendonça, Gabriela Campos, Jonatas França, Jonathan Rissi, Pedro Leone, Raissa Oliveira e Suelen Sanghinete), que aplicaram seus toques pessoais a peças e adereços de moda.

De acordo com Raissa Oliveira, 19, uma das formandas, para além do sangue, onde se encontra o DNA, os trabalhos foram pensados para buscar a identidade de cada um dos alunos. “O tema gerador do nosso desfile foi sangue, e a partir dessa escolha exploramos diferentes campos que remetessem a essa ideia, até chegarmos ao DNA, que representa a identidade de cada um, seja ela pessoal ou profissional”, explica. “Logo em seguida, escolhemos subtemas que remetem não só ao tema geral, o sangue, mas também às nossas preocupações pessoais, como o feminismo, terror, a violência doméstica, identidade nacional, poder da igreja e o canibalismo”.

O resultado foi um desfile que mesclou o clássico ao exagerado. Os modelos desfilaram pela passarela com ‘oufits’ requintados e outros conceituais, que transmitiam a ideia do incomodo e inquietação causados pelo sangue. “O objetivo não era ter apenas roupas passando pela passarela, mas looks que contassem uma história em si”, afirma a formanda.

Os looks montados por Raissa contam com ideias muito próprias da estudante, que tentou representar nas cores os sentimentos que desejava transmitir. Com borboletas e tons azuis, ela exprime a liberdade e o renascimento feminino. “Meus primeiros looks eram escuros e com pouca vida, para representar a dor da mulher diante da violência e, conforme a história é contada na passarela, as peças vão ganhando cores, brilhos, leveza e emoção”, descreve.

A professora do curso, Maria Amélia Claus, avalia o desfile como o resultado de um grande desafio. “Não foi fácil, mas os alunos conseguiram atingir todos os objetivos lançados pelos docentes. Foi um desfile desafiador para cada deles, principalmente por conta do tema”, avalia. “Tenho certeza que todo o processo de organização do desfile foi uma semente que os alunos plantaram e, no dia do evento, essa semente foi colhida”.

A produtora de moda Dri Godoy acompanhou o desfile e atesta a originalidade dos ‘outfits’ apresentados. “O tema DNA trouxe para a passarela muita personalidade, ousadia e história”, diz. “Os sete formandos abusaram do tema escolhido e ainda deixaram seus convidados e familiares surpresos ao verem os modelos expressarem toda a ideia na passarela”.

Raissa sente deixar o curso mais preparada e certa de ter conseguido trabalhar uma identidade própria, que pode ser vista no estilo de suas peças. “Hoje, estou pronta para o mercado de trabalho, porque eu aprendi que a moda não é apenas aquilo que uma pessoa com alta influência está usando e se torna tendência, mas uma arte que deve ser vivida, transmitida e recebida de diferentes formas e por diferentes pessoas”, ressalta.

 

Outfit por Claudia Mendonça. (Foto: Paloma Freitas).

 

Outfit por Gabriela Campos. (Foto: Paloma Freitas).

 

Outfit por Jonatas França. (Foto: Paloma Freitas)

 

Outfit por Jonathan Rissi. (Foto: Paloma Freitas)

 

Outfit por Pedro Leone. (Foto: Paloma Freitas)

 

Outfit por Raissa Oliveira. (Foto: Paloma Freitas)

 

Outfit por Suelen Sanghinete. (Foto: Paloma Freitas)

 

Mariana Requena
[email protected]