Doenças renais atingem 50% dos gatos idosos

Prevenção deve ocorrer por meio da alimentação e exames regulares. (foto: Freepick)

Os problemas renais são uma das maiores preocupações dos donos de gatos. De acordo com a pesquisa “Survival of cats with naturally occurring chronic renal failure: effect of dietary management”, 35% a 50% dos gatos idosos sofrem com DRCs (doenças renais crônicas), mais comuns em animais acima dos 12 anos de idade.

De acordo com o veterinário Alexandre Daniel, a doença causa a morte de milhares de gatos todos os anos e a melhor saída está na prevenção. “O diagnóstico precoce aumenta a expectativa de vida dos animais. Quanto antes for diagnosticado o problema, maior é a possibilidade de prolongar a vida do paciente”, explica o especialista. Segundo ele, as DRCs variam entre estágios de 1 a 4. “O paciente que é diagnosticado no estágio 2 tem uma sobrevida média de cinco anos. Já no caso do paciente que é diagnosticado no estágio 3, a sobrevida cai para dois anos. Quanto mais precoce o diagnóstico, mais prolongada é a vida do animal”.

Os exames periódicos são essenciais para detectar a doença, já que ela apresenta sintomas apenas em estágios avançados, quando os rins já estão com 75% de suas funções comprometidas.

Daniel recomenda que os gatos de meia idade – a partir dos 10 anos – façam os exames específicos uma vez ao ano. A partir dos 14 anos, a rotina para a valer para cada seis meses. Caso os resultados apresentem alterações ou o animal passe a expressar sintomas, como perda de peso, ingestão excessiva de água ou aumento do volume de urina, é necessário procurar um veterinário para que o melhor tratamento possa ser indicado.

Os cuidados, geralmente, são feitos com a indicação de medicação controlada. “Existem vários fatores que precisam ser levados em consideração. Pacientes que têm pressão alta podem viver menos, pacientes com variação na concentração de fósforo também podem viver menos, gatos com proteína na urina também, mas é possível controlar com fármacos”, afirma o profissional.

UMA ALIMENTAÇÃO FELINA

A prevenção contra as doenças renais também podem vir em forma de alimento. Na dieta dos gatos, é necessária a redução do fornecimento de fósforo que, junto a outros minerais, geralmente representam de 5% a 8% de um alimento seco.

A quantidade de ingestão de proteínas também deve ser controlada, assim como a de sódio. É interessante a escolha de rações que não contenham corantes, já que estes podem causar alterações no trato urinário.

A ingestão de água também é muito importante, até mesmo para a hidratação dos felinos em tratamento. Os gatos preferem água fresca e corrente, portanto o uso de fontes especiais é uma boa saída para o caso de animais que não têm o costume da ingerir líquidos.

 

Vida pet: tudo sobre a saúde e o comportamento dos nossos melhores amigos. Acesse: www.jornaldepiracicaba.com.br/arraso/pets

ADOTAR É O BICHO!

O Jornal de Piracicaba, em parceria com entidades protetoras da cidade, promove a campanha “Adotar é o Bicho”, que tem o objetivo de dar visibilidade a gatos e cachorros que buscam um novo lar. Para conhecer os animais disponíveis acesse o site: www.jornaldepiracicaba. com.br/adotar-e-obicho.

 

 

Mariana Requena

[email protected]