Doenças reumáticas e a predisposição ao câncer

Sociedade Paulista de Reumatologia relaciona as doenças reumáticas, que são infl amatórias e crônicas, a uma predisposição ao desenvolvimento do câncer, devido ao uso dos imunossupressores. (Foto: Freepik)

Doenças reumáticas são mais comums do que se imagina e não acometem apenas pessoas mais velhas, como também crianças e adolescentes. De acordo com o SPR (Sociedade Paulista de Reumatologia), cerca de 15 milhões de brasileiros têm alguma doença reumática.

Segundo o MS (Ministério da Saúde), doenças reumáticas podem ser causadas ou agravadas por fatores genéticos, traumatismos, obesidade, sedentarismo, estresse, ansiedade, depressão e alterações climáticas. Esse grupo de doenças não é transmissível e nem contagioso e normalmente é acompanhado de dor.

Os sintomas são dores nos ossos, articulações, tendões e músculos. Dados da SPR indicam ainda mais um agravante: a conexão do câncer com as doenças reumáticas. Conforme a diretora da Sociedade Paulista de Reumatologia e professora do HC-FMUSP, a reumatologista, Danieli Andrade, as doenças reumáticas, que são inflamatórias e crônicas, podem trazer predisposição ao desenvolvimento do câncer especialmente pelos tratamentos utilizados com imunossupressores (medicamentos que inibem o sistema imunológico do paciente).

“Sabemos que as doenças reumáticas, que usam esses remédios, predispõem os pacientes a terem infecções, inclusive infecções crônicas como é o exemplo do HPV, que pode levar ao desenvolvimento de câncer de colo do útero”, alerta a reumatologista.

A médica ainda informa que, um caso que parece ser de uma doença autoimune, como os reumatismos, por exemplo, podem ser, na verdade, um diagnóstico de câncer. Outra situação é o oposto que também é perigoso.

“Imagine que o oncologista que está tratando uma mulher com câncer de mama e resolve usar uma terapia para câncer. Esse tratamento pode levar a dores incapacitantes articulares nessa mulher”, explica a médica, que ressalta a importância da parceria entre o oncologista e o reumatologista.

Como cada caso é único, é necessário uma avaliação ímpar para cada paciente.

Para as pessoas que já possuem algum problema reumático, a dica de Danieli é não generalizar. Como dito antes, cada paciente tem uma forma de reação à doença. Então, para evitar problemas com o câncer é necessário que a pessoa vá a ambos os especialistas com frequência, pois quanto mais cedo detectar o problema, melhores são as possibilidade de tratamento, sem que uma doença não desvalorize a outra.

“Não trate menos a doença reumatológica privilegiando demais o câncer para que mais pra frente o paciente não tenha uma má qualidade de vida. Ambas precisam de cuidados especiais”, enfatiza a diretora.

Larissa Anunciato
[email protected]