Dois anos depois, lagoa do parque recebe manutenção

A força-tarefa para limpeza da lagoa, nesta semana, reúne as secretarias de Defesa do Meio Ambiente (Sedema), Defesa Civil e Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto). (foto: Claudinho Coradini/JP)

Após dois anos desde a última limpeza feita no local, a prefeitura iniciou ontem o desassoreamento da lagoa do Parque da Rua do Porto. Segundo a administração municipal, os trabalhos devem ser concluídos hoje. No final de maio, o Jornal de Piracicaba noticiou que o corpo d’ água sofria o assoreamento. Na época, a prefeitura informou que a limpeza estava programa para os meses de julho e agosto e que a última manutenção foi realizada em agosto de 2017, apesar de ocorrer anualmente, conforme informado ontem.

A administração informou ontem que o projeto de implantação de sistema de drenagem para minimizar o problema, orçado em cerca de R$ 1,5 milhão, foi enviado e aprovado pelo FID (Fundo Estadual De Defesa Dos Interesses Difusos), da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, e aguarda liberação de recursos.

A força-tarefa para limpeza da lagoa, nesta semana, reúne as secretarias de Defesa do Meio Ambiente (Sedema), Defesa Civil e Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto). O processo exige que seja feita uma “ponte” até o centro da lagoa.

Para isso, foram colocados dez caminhões de terra, por onde a retroescavadeira entra na lagoa e começa a fazer a retirada do cascalho, chegando até a margem. Até as 15h de ontem, 28 caminhões que carregam cerca de dez toneladas cada, haviam sido carregados.

A previsão é de retirar 50 caminhões até quinta. O cascalho, que não é contaminado, é levado para um depósito da Sedema e será reutilizado em obras.

De acordo com o secretário José Otávio Menten, o assoreamento é causado pelo despejo de material arenoso, que é trazido pelas chuvas da região mais alta da cidade. Ele destacou a importância de o projeto ter sido aprovado pelo FID, mas ponderou que não há prazo para a liberação dos recursos, já que há critérios que identificam e priorizam os casos de maior urgência.

 

Beto Silva
beto.silva@jpjornal.com.br