Dona de casa reclama de remoção de ossos de sepultura

sepultura Ossos foram retirados desta sepultura,que foi vendida a terceiro. (Foto: Amanda Vieira/ JP)

A dona de casa Zilá Veronezi denunciou ontem a retirada – sem comunicação prévia por parte da Prefeitura de Piracicaba – dos restos mortais de quatro familiares que estavam em uma sepultura no Cemitério da Vila Rezende. Ela disse que a família adquiriu o túmulo em 1984 e, no local, estavam enterrados seus pais, um irmão e uma irmã e o último sepultamento ocorreu há seis anos. A mulher contou que só soube do fato nesta semana depois que a neta foi ao cemitério tratar da reforma do jazigo. Ao chegar na sepultura, a jovem constatou que havia a foto e o nome de um homem desconhecido. Ela procurou a administração e foi informada que os restos mortais dos familiares foram transferidos para o ossuário do Cemitério da Saudade.

Zilá buscou a orientação de um advogado. O profissional a teria orientado a procurar a imprensa para cobrar um posicionamento da prefeitura. Segundo ela, em nenhum momento foi informada por carta ou telefonema sobre a necessidade de fazer exumação ou providenciar reparos na sepultura. “Eu moro em São Pedro, mas tenho casa em Piracicaba e nunca recebi nenhum comunicado da prefeitura com relação ao túmulo”, reclamou.

“Disseram à minha neta que se não retirarmos os restos do ossuário, eles serão incinerados. Para onde vou levar os restos, se eu tinha sepultura na Vila Rezende, agora vou ter de pagar R$ 4.500 mil por outra sepultura? Eles retiraram os restos mortais da minha família e venderam o túmulo que era nosso, isso é crime”, afirmou.

A Prefeitura de Piracicaba informou que a sepultura da dona de casa foi considerada em estado de abandono pela Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente. O setor de comunicação citou dois decretos publicados em 2017 que tratam da transferência de restos mortais de jazigos abandonados no Cemitério da Vila Rezende para o Ossuário Público do Cemitério da Saudade. De acordo com os documentos, foram constatadas 1.584 sepulturas abandonadas no Vila Rezende.

“Os restos mortais de seus entes queridos e ou familiares sepultados em jazigos retomados, foram exumados e transladados para Ossuário Municipal da Saudade nº 33 em 19/03/2018 de forma correta, identificados, numerados, e estarão à disposição a qualquer tempo (em caráter perpétuo)”, traz a nota da prefeitura enviada à redação.

De acordo com o decreto 11057 de março de 2005, nos casos em que restar comprovado o abandono ou o desinteresse do titular da concessão e de seus sucessores pela sepultura, o termo de concessão será revogado por ato do Poder Executivo Municipal e a sepultura ficará disponibilizada para nova concessão.

(Beto Silva)