,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Campanha antirrábica ocorre neste fim de semana
  • Moradores reclamam de buraco na rua
  • Agosto registra nove mortes no trânsito de Piracicaba

Piracicaba volta a gerar emprego com carteira assinada
Danielle Gaioto
29/02/2016 10h32
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Piracicaba voltou a gerar emprego com carteira assinada em janeiro, após nove meses consecutivos de retração do mercado.

O saldo foi positivo em 108 vagas, volume que apesar de pequeno, sinaliza uma inversão de tendência, com chances de permanecer em certa estabilidade nos próximos meses, segundo especialista.

Ao todo, a cidade registrou admissão de 3.825 trabalhadores formais e a dispensa de 3.717 profissionais.

Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Setor que mais dispensou ao longo do ano passado, a indústria foi justamente a que mais gerou postos de trabalho no primeiro mês de 2016.

Foram 181 vagas criadas, aumento de 0,5% em seu estoque de assalariados.

O setor de serviços também foi bem, com geração de 117 vagas, seguido pela administração pública, que criou 100 vagas.

A construção civil gerou 30 postos formais, enquanto a agropecuária contribuiu com 10 vagas ao saldo do emprego no mês.

O indicador negativo veio do comércio, que com demissão de temporários e queda de vendas, cortou 333 vagas de trabalho com carteira assinada.

Para o coordenador do banco de dados socioeconômicos da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Francisco Constantino Crocomo, embora pequeno, o volume de empregos gerado é importante e estanca a sequência negativa do mercado de trabalho na cidade.

“Os dados sinalizam uma manutenção e até uma ligeira melhora do mercado de trabalho em janeiro. É claro que não é um grande volume, mas interrompe a série negativa. É um indicador positivo e que pode dar um alento a mais, amenizando toda essa questão psicológica que também está atrelada à crise”, relatou.

O economista aponta que a indústria, muito penalizada nos últimos anos, vem se beneficiando da valorização do dólar nos últimos meses, não só no que diz respeito à exportação de mercadoria, mas à própria competitividade no mercado interno, que sofria forte concorrência de importados.

“Apesar de ter tido saldo negativo na região, a indústria de Piracicaba foi melhor em janeiro”, disse.

Outro indicador muito positivo foi a geração de emprego no setor de serviços, que costuma absorver mão de obra excedente de outros setores, como os do comércio, por exemplo.

12 MESES — Em um ano, o comportamento do mercado de trabalho formal em Piracicaba permanece negativo, com corte de 5.789 vagas, um encolhimento de 4,67% do estoque de trabalhadores assalariados do município.

O setor que mais dispensou entre fevereiro de 2015 e janeiro de 2016 foi a indústria, com enxugamento de 3.826 vagas.

Os setores de comércio e de serviços também cortaram muitos postos de trabalho, foram -1.189 e -1.085 vagas respectivamente.

A agropecuária foi o setor com melhor desempenho neste período, gerando 235 postos de trabalho.

A administração pública também contratou mais, com abertura de 372 vagas.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  •         Responder
    Elias de Assis Fogo - 23/05/2016 10h06
    bom dia gostei porque ficamos enformados