,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Pedestres cobram instalação de faixa
  • Justiça nega liminar que pedia retorno às aulas
  • População reclama de transtornos do rodeio

Reforma não se faz de uma só vez, diz Gustavo Franco
Agencia Estado
19/04/2017 11h02
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Mesmo com as concessões feitas pelo governo em relação à proposta original de reforma da Previdência feita pela equipe econômica, as mudanças "consensuais" que deverão permanecer no relatório da comissão que analisa o tema na Câmara dos Deputados já serão um "grande progresso", disse o economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central (BC). O parecer do deputado Arthur Maia (PPS-BA), relator da comissão especial da Câmara que analisa a reforma, deverá ser lido nesta quarta-feira, 19, no colegiado. Uma das principais mudanças é que a idade mínima para as mulheres se aposentarem será 62 anos, e não os mesmos 65 dos homens. "O que já parece ser consensual e está no relatório já seria um grande progresso. Agora, será tanto melhor quanto menores forem as concessões, mas paciência, é do jogo", disse Franco, após participar de seminário em homenagem a ao centenário de nascimento do economista Roberto Campos, no Rio. Franco ponderou, por outro lado, que a agenda de reformas deveria ser permanente. Por isso, a proposta atual não resolverá todos os problemas e a questão previdenciária exigirá mudanças no futuro. "Minha postura sobre reformas, com a experiência que eu tive, é que é uma pauta permanente", disse. Para Franco, prevalece no Brasil uma ideia, equivocada, de que as reformas podem ser feitas de uma vez e nunca mais. "Não é assim. Uma economia que aspira possuir um dinamismo de atleta olímpico tem de treinar permanentemente." Mesmo diante das incertezas políticas com a revelação das deleções premiadas de executivos da Odebrecht, Franco vê o ambiente favorável às reformas. "Não estou vendo nada disso paralisar a dinâmica do parlamento brasileiro. Essas revelações últimas foram especialmente chocantes, mas a vida continua", disse. Transição Em sua palestra no seminário, Franco destacou que um desafio das reformas institucionais é continuar a vigorar na passagem de um governo para outro. O economista deu como exemplo o Plano Real, do qual foi um dos formuladores. Segundo Franco, as reformas do primeiro governo Fernando Henrique Cardoso tiveram continuidade em seu segundo mandato e muita coisa foi mantida no primeiro governo Luiz Inácio Lula da Silva. A receptividade às propostas do Real não foi acidental, disse. Ideias já defendidas antes por Roberto Campos contribuíram para seu sucesso. Campos, que completaria 100 anos na última segunda-feira, foi um dos maiores defensores do liberalismo no País. Para Franco, o economista, que foi ministro, diplomata, senador e deputado federal, e colunista do Estado de 1988 a 1995, certamente apoiaria as reformas propostas pela equipe econômica comandada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar