,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Todos os presidentes que ganharam filmes no País
  • Retrospectiva de Rodrigo Andrade está entre as dicas de exposições da semana
  • Ocimar Versolato morre aos 56 anos em São Paulo

Ana Paula Vescovi: sem reforma da Previdência, perderemos confiança do mercado
Agencia Estado
06/12/2017 11h00
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, disse nesta quarta-feira, 6, que o governo e a condução dos ajustes fiscais na economia brasileira perderão a confiança do mercado caso a reforma da Previdência não seja aprovada pelo Congresso Nacional no fim deste ano ou no começo de 2018. E, na avaliação dela, isso prejudicaria a retomada da economia. "A recuperação da economia é muito baseada na confiança dos agentes, na credibilidade de que a política fiscal pode ser sustentada ao longo do tempo. O benefício da reforma da Previdência é de longo prazo, pois evita um crescimento maior dessas despesas", afirmou, em entrevista à rádio CBN. Ela lembrou que a economia já voltou a crescer, inclusive com a geração de empregos. Ana Paula ressaltou, porém, que a reforma da Previdência é fundamental para garantir a expansão sustentável da economia também nos próximos anos. "Se não conseguirmos empreender a reforma ainda este ano, ou no máximo no começo do próximo ano, nós perderemos essa confiança do mercado. Então é muito importante que consigamos sinalizar para o mercado que vamos ter essa disciplina de longo prazo e ter sustentação nas contas públicas", completou. Questionada se o governo conseguirá afinal os votos necessários no Congresso para aprovar a reforma, a secretária do Tesouro lembrou que os parlamentares já aprovaram medidas de ajuste fiscal e melhoria da competitividade propostas por esse governo, citando o teto de gastos e a reforma trabalhista. "Estamos confiantes. O Congresso tem sido um parceiro na retomada da confiança", avaliou. Segundo ela, quando o atual governo assumiu, em meados de 2016, havia uma expectativa de que a dívida pública tivesse um crescimento explosivo que a levasse para patamares de até 120% do PIB. "Já temos hoje cenários que convergem para a dívida crescendo ainda um pouco, mas se estabilizando em cerca de 80% do PIB. Esse cenário de confiança reduziu prêmios de risco e possibilitou queda da inflação dos juros. Temos uma demonstração clara de que estamos na direção correta", afirmou. Ana Paula voltou a dizer que o Brasil precisa de um ajuste de R$ 300 bilhões ao longo do tempo para estancar o crescimento da dívida pública e alegou que o governo tem feito um esforço para reduzir o déficit primário a cada ano. A secretária do Tesouro reforçou ainda a necessidade de aprovação ainda este ano de medidas voltadas para o Orçamento de 2018, que trazem o corte de R$ 7,5 bilhões em despesas e um incremento de R$ 14 bilhões nas receitas. Ela repetiu que as despesas obrigatórias - das quais a Previdência é mais emblemática - têm um crescimento persistente e lembrou que as medidas propostas para reduzir o gasto obrigatório abrem espaço para o governo aumentar os investimentos e ampliar os programas sociais. "Esse ano de 2017 foi um ano difícil para pagar despesas básicas do governo", admitiu.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar