,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Todos os presidentes que ganharam filmes no País
  • Retrospectiva de Rodrigo Andrade está entre as dicas de exposições da semana
  • Ocimar Versolato morre aos 56 anos em São Paulo

Governo dá recado de que há mais dinheiro a ser liberado por reforma
Agencia Estado
07/12/2017 06h00
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
No dia em que o Congresso Nacional fez andar medidas que somam R$ 30,2 bilhões em "benesses" a diferentes setores, o governo tratou de passar o recado de que ainda há mais dinheiro que pode ser liberado até 31 de dezembro para facilitar a aprovação da reforma da Previdência. A mensagem foi transmitida pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), durante jantar, na noite desta segunda-feira, 6, no Palácio do Alvorada, com o presidente Michel Temer, ministros e aliados, segundo apurou o Broadcast. Jucá fez um dos discursos mais incisivos da noite e disse que, para os aliados do governo não serem mais chamados de "golpistas" por causa do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, é preciso "salvar o Brasil". A reforma da Previdência é citada pelos governistas como uma agenda necessária para manter o crescimento do País e a queda dos juros e da inflação. O governo encomendou estudos à equipe econômica para verificar o que é possível remanejar do Orçamento de 2018 para atender às demandas dos parlamentares em troca dos votos. Há o desafio de fazer tudo caber dentro do teto de gastos. A fala de Jucá, porém, indica que o governo trabalha também com o Orçamento deste ano, para além dos R$ 2 bilhões já prometidos aos prefeitos. Segundo relatos, o líder do governo no Senado sinalizou que todos os recursos disponíveis em 2017 serão empenhados. Apesar do esforço do governo em atender à sua base aliada, integrantes de alguns partidos disseram que não está na hora de votar a reforma da Previdência - entre eles o líder do PSD na Câmara, Marcos Montes (MG), o ministro Gilberto Kassab (Comunicações), que é presidente licenciado do PSD, e o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI). Outros defenderam que a votação fique para a última semana do ano legislativo, entre 18 e 22 de dezembro. A avaliação dos presentes é que ainda não há condições de votar a proposta na semana que vem, como desejam o governo e o próprio relator da reforma, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). Na saída do jantar, o vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), admitiu a possibilidade de a votação ser postergada para a última semana de atividade no Legislativo. Segundo apurou o Broadcast, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reconheceu que o governo ainda não tem os 308 votos necessários, mas disse que é preciso vencer as dificuldades criadas com as duas denúncias contra Temer. As acusações foram barradas pela Câmara, mas levaram a um desgaste político. Maia se referiu ao "nó que o Janot nos criou" e ao "teto de votos" que acabou se impondo após a atuação do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, autor das denúncias. Eleições Diante do temor dos aliados de que um voto favorável à reforma da Previdência acabe prejudicando suas campanhas eleitorais em 2018, o presidente Michel Temer adotou um discurso duro. Ele advertiu os governistas de que, se a reforma não for votada, a cobrança pode se virar contra eles durante a corrida eleitoral por "manterem privilégios", principalmente de servidores públicos. O deputado Celso Russomanno (PRB-SP), que lidera pesquisas de intenção de voto para o governo de São Paulo, concordou com Temer durante o encontro, segundo relatos. O parlamentar paulista reforçou o alerta de que será necessário responder "por que não foi votada" a reforma da Previdência, caso não haja de fato outra saída senão adiá-la. A reunião contou com a presença de 18 ministros (inclusive da área econômica), 16 deputados (incluindo líderes de partidos), além de Maia e do secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano. Também participaram sete presidentes de partidos, entre eles o do PSDB, Alberto Goldman. Após as conversas, foi servido jantar aos presentes.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar