,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Mesmo com ordem judicial, prédio no bairro Cidade Alta não é demolido
  • Lançado edital para construir escola noVida Nova
  • Roubos e furtos de carros caem no primeiro trimestre

Ibre revisa projeção de crescimento do PIB de 2017 de 0,9% para 1,0%
Agencia Estado
11/12/2017 18h00
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) revisou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2017 de 0,9% para 1,0%. Para 2018, a projeção é que a atividade econômica avance 2,8%. Os dados foram citados pela pesquisadora Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro do Ibre. A economista chamou atenção para o peso do PIB agropecuário no movimento do PIB. Nos cálculos do Ibre/FGV, a agropecuária crescerá 12,3% no PIB de 2017. Com isso, nas contas apresentadas por Silvia, o PIB de 2017 avançaria apenas 0,4%, caso o efeito da agropecuária fosse excluído. Como a FGV estima queda de 2,0% no PIB agropecuário do ano que vem, o crescimento da atividade em 2018 seria de 3,0%, se esse componente da oferta fosse excluído. Segundo a pesquisadora, haverá ligeira melhora na taxa de desemprego, e o consumo das famílias seguirá crescendo em 2018. O processo eleitoral seguirá como fonte de incerteza. "A grande preocupação hoje é ver a recuperação do investimento", afirmou Silvia, em seminário de análise de conjuntura promovido pelo Ibre/FGV no Rio. O cenário para 2018 traçado por Silvia inclui uma preocupação com a questão energética. Por causa dos baixos níveis das hidrelétricas, o crescimento da demanda no próximo ano tenderá a elevar preços de energia elétrica. Nesse quadro, com a demanda ainda reprimida, o Ibre/FGV projeta que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) baixará a taxa básica de juros (Selic, hoje em 7,0% ao ano) para 6,75%, mas com perspectiva de elevação ainda em 2018, para 7,25%. A dúvida, segundo Silvia, é se, diante de uma demanda um pouco mais aquecida, o ajuste na política monetária será feito ainda em 2018 ou no início de 2019.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar