,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • 'Arlecchino', de Busoni, e 'Pulcinella', de Stravinski, ganham encenação
  • Triz, a voz grave que canta com a alma
  • C&A lança linha de camisetas sustentáveis

Mais cuidado, por favor!
Ude Valentini
10/03/2017 14h36
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Imagine a seguinte situação: um grupo de crianças e adolescentes caminha por dois quilômetros em uma estrada vicinal sem acostamento, rumo à escola.

Agora imagine que, durante a caminhada, um ônibus escolar, que tem como destino a referida escola, passe pelo grupo e siga o trajeto sem parar para levá-lo. E por que?

Porque, segundo os pais, o governo estadual não precisa oferecer transporte escolar para quem mora a menos de dois quilômetros da escola. Crianças na estrada, expostas aos mais variados perigos, não podem pegar o ônibus.

Ontem foi o primeiro dia do corte do transporte que afeta cerca de 200 estudantes moradores dos bairros de Santana e Santa Olímpia. O fato está revoltando as famílias — com toda razão.

A unidade em questão é a Escola Estadual Doutor Samuel de Castro Neves, que fica na divida entre os dois bairros.

A reportagem do Jornal de Piracicaba esteve ontem de manhãzinha no local.

Por volta das 6h30, pais e estudantes se reuniram na praça da igreja e juntos caminharam até a escola, onde a aula começava às 7h.

O que mais revolta os pais é que o ônibus escolar sai do bairro rural Vila Belém (usina) e Breda, e passa por Santana e Santa Olímpia antes de chegar à escola, ou seja, o veículo não precisa nem sair do trajeto original.

De acordo com um pai de aluno, este e outros transtornos começaram quando Santana e Santa Olímpia deixaram de ser classificados como bairros rurais.

Ele disse que “No papel é área urbana, mas na prática, é rural, todo mundo sabe”.

A Secretaria de Educação do Estado se isentou da responsabilidade do corte do transporte e informou que “o transporte escolar de alunos da rede estadual é feito pela Prefeitura de Piracicaba, que recebe os recursos e gerencia o serviço.”

A Secretaria Municipal de Educação afirmou que “O ônibus foi retirado por falta de demanda”.

E assim caminham na estrada os estudantes. É necessário que essa situação seja resolvida. Não adianta lamentar depois que algum fato mais grave ocorra.

Afinal, todo mundo sabe o perigo de se caminhar numa estrada sem acostamento, principalmente em se tratando de crianças e adolescentes.

Mais cuidado, por favor.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar

10/08/2017 08h38 Rubens Vitti Jr. Até quando?
02/08/2017 06h37 Rubens Vitti Jr. Museu da Cana
30/07/2017 04h00 Informais
20/07/2017 11h24 Rubens Vitti Jr. Talento nato