,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Projetado por Paulo Mendes da Rocha, novo Sesc 24 de maio será aberto em agosto
  • Série do 'Fantástico' mostra médicos que 'driblam' dificuldades para salvar vidas
  • Maestro João Carlos Martins pede passagem para dois grandes talentos

Mortes na água
Ude Valentini
14/03/2017 11h44
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

A 6ª morte por afogamento registrada em Piracicaba ocorreu no último sábado, tendo como vítima um garoto de 11 anos. O menino pescava com o pai e o avô quando escorregou no barranco e caiu nas águas do rio Piracicaba.

O pai, de 33 anos, pulou no rio, mas não conseguiu salvar o filho.

O corpo do garoto foi localizado ontem de manhã em um trecho do rio que passa próximo a avenida Cruzeiro do Sul.

Neste fim de semana, seis morreram afogados no interior do Estado.

Um menino de 8 anos se afogou na tarde de domingo quando brincava com a família em um lago, em Bonsucesso de Itararé, sudoeste paulista.

O padrasto do menino, a mãe dele e uma irmã de 15 anos estavam na água, na parte rasa do lago, quando ele afundou.

A irmã gritou e foi atrás do garoto, mas também afundou. A menina foi salva, mas o garoto não.

Em Rosana, um jovem de 19 anos morreu afogado no Rio Paranapanema, no domingo, próximo da Ilha do Macaco.

A vítima chegou a ser socorrida pelos bombeiros, mas não resistiu.

Em outro caso, um homem de 46 anos se afogou no Rio Paraná, em Presidente Epitácio, quando nadava em uma área de pesca.

Ele chegou a ser retirado da água com vida por pescadores, mas morreu quando era levado para o pronto-socorro.

Em Nova Odessa, um homem de 39 anos morreu afogado quando nadava em uma represa.

Os bombeiros resgataram também o corpo de um jovem de 21 anos que morreu quando nadava na Represa do Jaguari, em Igaratá.

O que todos esses casos têm em comum? Talvez as altas temperaturas registradas no Estado no fim de semana e a vontade de se refrescar.

É importante, antes de mais nada, lembrar que não podemos passar dos limites.

Às vezes, a vida e a morte estão separadas por um fio e arriscar pode custar caro — e uma vida não tem preço.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar

20/07/2017 11h24 Rubens Vitti Jr. Talento nato
18/07/2017 05h00 André Thieful Aposta única
29/06/2017 12h02 Sabrina Franzol Estranho, uai
06/06/2017 12h54 Danielle Gaioto Falta muito