,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Polícia Civil apreende 74 quilos de maconha
  • Artistas homenageiam Gilberto Gil em seu aniversário de 75 anos
  • Savegnago inaugura supermercado em julho

Confronto
Danielle Gaioto
31/05/2017 13h29
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
 
Tentativa de invasão a uma área pública no bairro São Jorge terminou em confronto ontem. Grupo de sem-teto que montava acampamento no local resistiu à desocupação, dando início a conflito direto com a Guarda Civil e a Polícia Militar. Houve uso de bombas de efeito moral, gás de pimenta e balas de borracha pelas forças de segurança, que revidaram à ação dos invasores. 
Não foi a primeira vez que o grupo tentou tomar a área. Anteontem a Defesa Civil, com apoio da Guarda, conseguiu impedir a situação sem conflitos.
Ontem, no entanto, a condição em que se deu a desocupação causou temor à população do bairro. Houve ameaça inclusive de incêndio no terminal de ônibus — por onde passam milhares de pessoas por dia. A escola do bairro também encerrou as atividades e os pais tiveram de buscar as crianças às pressas. Moradores da região contaram ao JP que tiveram a casa ocupada durante o confronto por mulheres e crianças que estavam no grupo de sem-tetos, sem contar nos que foram atingidos pelas balas de borracha. 
 
A invasão da área evidencia um problema que é recorrente em todo o país: a falta de moradia, principalmente voltada a pessoas com menor poder aquisitivo. Os programas de habitação de interesse social existem e funcionam, mas também enfrentam burocracia e entraves que postergam a entrega das residências a quem precisa. Aqui em Piracicaba mesmo temos como exemplo o empreendimento Vida Nova, que deveria já ter sido entregue, mas está com as obras paradas. Ainda que haja um novo processo licitatório, não há prazo para que os apartamentos fiquem prontos.
 
Ironicamente, a área invadida ontem também será voltada à construção de moradias populares. Segundo a prefeitura, no terreno devem ser construídos 432 apartamentos para atender àqueles que já estão inscritos nos programas habitacionais do município.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar

06/06/2017 12h54 Danielle Gaioto Falta muito
02/06/2017 13h13 André Thieful Ainda é cedo
26/05/2017 12h51 Danielle Gaioto Moradias