,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Regina Volpato volta à TV aberta após 5 anos
  • As herdeiras do mundo da moda
  • Rio perde dois patrimônios de sua cultura

Cultura em pauta
Sabrina Franzol
29/09/2017 16h04
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Hoje e amanhã, acontece na Estação da Paulista a 5ª Conferência Municipal de Cultura. O evento, realizado pelo ComCult (Conselho Municipal de Cultura de Piracicaba), com o apoio da SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo), é a oportunidade exata para debater e propor ações que resultem no desenvolvimento das diversas linguagens artísticas na cidade, do teatro à dança, abrangendo, ainda, música, movimentos urbanos, entre outras.
 
Como bem frisou a titular da SemacTur, Rosângela Camolese, em entrevista ao Jornal de Piracicaba, a conferência é um “espaço democrático e de discussão”, portanto, é de extrema importância que articuladores da Cultura no município participem. Aliás, não só eles. O ideal é que a população em geral sugira o que julgar útil para, principalmente, estímulo à liberdade artística.
 
Piracicaba é privilegiada no campo das artes. Nasceu na Noiva da Colina, por exemplo, o pintor e escultor, entre outras ocupações, Archimedes Dutra (1908-1983), um dos idealizadores do Salão de Belas Artes do município em 1953. E tem mais. A cidade foi escolhida como moradia por Ernst Mahle, maestro alemão que chegou ao Brasil na década de 1950 e é referência no campo pedagógico da música, além de ser fundador da Empem (Escola de Música de Piracicaba Maestro Ernst Mahle), instituição preparadora de verdadeiros tesouros musicais, que extrapolam as fronteiras do Brasil, levando, com primor, o nome de Piracicaba ao exterior. O piracicabano Rosnei Tuon, violinista da Orchestre de la Suisse Romande (Suíça), é só um dos exemplos.
 
Este espaço destinado ao editorial do JP jamais seria suficiente para elencar todos os excelentes representantes das artes, nas mais variadas áreas, que tiveram origem ou aprimoraram os conhecimentos na cidade. A “Florença Brasileira”, como pertinentemente chama Piracicaba o jornalista Cecílio Elias Netto, tem motivos de sobra para continuar se destacando no mundo, mas para isso é necessário união e comprometimento — em especial do poder público — a fim de que a Cultura seja cada vez mais fortalecida e que os artistas tenham o que almejam e merecem.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar

17/10/2017 14h24 André Thieful Insistência
10/10/2017 18h21 André Thieful Um sonho barrado
07/10/2017 10h00 André Thieful Ousadia