,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Construção abandonada gera transtornos e moradores reclamam
  • Vendas no comércio crescem 3,6% no Dia dos Namorados
  • Rapaz é detido por populares após roubar celular de jovem

Resultados promissores
André Thieful
04/10/2017 16h51
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Duas notícias veiculadas neste Jornal tratam da recuperação econômica. Ainda que distante do ideal, fato é que as coisas parecem estar melhorando e o resultado já começa a ser observado. De um lado as exportações da cidade cresceram 18% em relação ao mês anterior. O aquecimento também se mostrou na venda de veículos. Os números de setembro colocam Piracicaba como a 7ª do Estado com maior número de emplacamentos. O resultado acompanha o que acontece no restante do país, que também experimentou aumento nas vendas. 
 
Além disso, no fim da semana passada, o Sindicato do Comércio Varejista informou que trabalha com expectativa de 60% nas contratações de trabalhadores temporários para este fim de ano. De acordo com a entidade, 800 vagas devem ser abertas, 300 a mais do que verificado em igual período de 2016. 
 
Com esses e outros números que denotam alento à famigerada economia brasileira, é justo dizer que o presidente Michel Temer tem feito muito mais do que o governo de Dilma Roussef, que se revelou um completo desastre. Por essa ótica, as pesquisas que apontam a quase nenhuma popularidade dele junto à população não lhe são justas — é bem verdade que as denúncias de corrupção nas quais é citado contribuem grandemente para o resultado pífio em aprovação popular. Além disso, Temer não tem o carisma como um traço forte de sua personalidade. Bem diferente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que, mesmo atolado em denúncias de corrupção e já réu condenado em primeira instância, lidera todos os cenários para 2018. 
 
Assim, mesmo que definitivamente consiga colocar o trem nos trilhos, o atual presidente não deverá ser lembrado por ter dado início à retirada do país da maior recessão da sua história. A frieza dos números está bem distante dos chavões populistas que predominam na política brasileira. 
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar

20/06/2018 12h41 Nani Camargo Lição de casa
19/06/2018 12h44 Da redação Crimes violentos
16/06/2018 12h32 Da redação Salto para a morte
15/06/2018 16h17 Da redação Peixe vandalizado
12/06/2018 18h08 Luta inglória