Em 3 meses, guardas civis aplicam 41 multas por dia

De novembro do ano passado a 31 de janeiro deste ano, os 135 guardas civis que atuam como agentes do pelotão escolar de Piracicaba aplicaram 3.651 multas de trânsito aos motoristas infratores. Quer dizer que efetuaram, em média, 41 multas por dia. Eles foram autorizados pela Câmara a fiscalizar o trânsito em 17 agosto do ano passado, depois de muita polêmica, mas começaram as notificações em novembro, após treinamentos. No mesmo período, foram aplicadas 3.018 multas feitas pelos 60 agentes de trânsito, em 90 dias, o que dá uma média de 34 multas por dia. 
 
As principais infrações cometidas foram deixar de usar o cinco de segurança (531 multas), avançar o sinal vermelho do semáforo (280) e dirigir o veículo e manusear o celular (226). Segundo Akira, a pasta não tem o montante a ser arrecadado através das autuações dos guardas.
 
Os dados foram passados pelo secretário Jorge Akira, da Semuttran (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes). Piracicaba tem 60 agentes de trânsito, que trabalham 24 horas por dia, divididos em grupos de 15 agentes por turno. “Em quase todas as escolas particulares e algumas públicas tem havido desrespeito como parar em fila dupla ou tripla, parar em faixas de pedestres, etc. Em 2018, a Semuttran está acompanhando algumas escolas com maior movimentação de veículos, promovendo a conscientização dos pais e autuando somente em casos extremos. A Guarda Civil também tem acompanhado a entrada e saída de escolas municipais, orientando e também autuando em casos necessários”, relatou o secretário.
 
Segundo Akira, desde o fim do ano passado acontecem reuniões com a polícia rodoviária para intensificar a fiscalização. “Toda essa fiscalização é para preservar vidas”, ressaltou o secretário. “Esse convênio veio em boa hora, porque com essas fiscalizações, em fevereiro, vai ter boa notícia de novo. Com essas medidas esperamos redução considerável do número de óbitos. Se não fiscalizar, a população fica com a sensação que tudo pode. Com a fiscalização, maus elementos vão pensar duas vezes”, disse.
 
Desde 2015, a tendência é de diminuição de acidentes com vítimas. “Conseguimos diminuir em torno de 37% até 2016. Agora, houve o fenômeno de 2017, de aumento gigantesco no número de óbitos na malha municipal e rodovias. Participamos do Movimento Paulista de Violência Viária e detectamos que havia necessidade de maior fiscalização, tanto pela guarda quanto pela Polícia Militar. 94% dos óbitos foram por comportamento em 2017. Por isso detectamos necessidade de ampliarmos a fiscalização. Em outubro, a guarda já estava fiscalizando, mas não estava autuando. De outubro para cá houve diminuição gigantesca do número de óbitos, de 6 óbitos em janeiro de 2017 para 2 em janeiro de 2018 (66,7%)”, informou Akira.